Guia Capital em arroios: um dos espaços é novo e tem brunch

Na zona mais multicultural de Lisboa há muito por conhecer. A ESCS MAGAZINE dá-te a conhecer três espaços na freguesia de Arroios. No primeiro, a tinta das paredes é bem fresquinha.

Os Papagaios

Fica na Rua Lucinda Simões e chama-se Os Papagaios. Já foi uma casa de comes e bebes, mas, pelas mãos de duas irmãs, tornou-se agora num espaço de comida com sabores de todo o mundo – desde a Tailândia ao Afeganistão – e tem os famosos brunch.

Joana Amado – jornalista do Público durante 23 anos – decidiu deixar o jornalismo e dedicar-se à restauração. O seu mais recente projeto está a olhos vistos e a paladares ativos, em Arroios.  

É ela quem decide os pratos da carta e o menu dos almoços. Comida saudável e improvável é o que não falta n’Os Papagaios.

Nas opções mais leves há o smoothie do dia (2,10€), iogurte grego e fruta da época (3,70€) e ainda umas panquecas salgadas de lentilhas e grão com salada e pasta de tomate (3,50€).

Ovos não faltam – estrelados (2,50€) ou em omelete com queijo da ilha (3,70€) – e pão também não: chega todos os dias, da padaria artesanal Terra Pão que mora bem perto.

View this post on Instagram

Hoje há :: da casa, trigo e sementes.

A post shared by Padaria Terra Pão (@padariaterrapao) on

Os peixinhos da horta são uma referência na ementa (3€). As opções de almoço continuam pela canja (2,20€) e pelo prato vegetariano de caril de vegetais com arroz (7€).

Para terminar, há bolo do dia (2,50€), molotov de caramelo (3€) e tâmaras gregas (3€).

Para entrar no fim-de-semana com um prato típico português, há arroz de cabidela (8,50€) todas as sextas-feiras.

Os Papagaios está aberto de terça a sábado entre as 9h e as 17h.

Vlada Lounge

Para sair à noite em Arroios, há um espaço que te leva a viajar no tempo. A decoração é vintage, com cadeiras e armários que já só encontramos na casa dos nossos avós ou nas visitas aos castelos.

Num ambiente antigo são servidas bebidas da atualidade: gins e cocktails. Os gins vão dos mais baratos – como a combinação de Bombay Dry, Beefeater e Gordons (5€) – aos mais caros como a junção de Martin Miller’s Westbourn, com Monkey 47 (12€).

Quem não aprecia a bebida servida nos “baldes”, tem os cockails. Não faltam os conhecidos, como o Mojito (5€) ou a Margarita (6€), mas também há o Singapore Sling (8€).

A música varia entre o indie rock e leve música eletrónica. Às sextas-feiras há espetáculos de Burlesque.

Está aberto de terça a domingo entre as 21h30 e as 02h.

View this post on Instagram

Cosy

A post shared by Vlada Lounge (@vladalounge) on

Mercearia Zaytouna

Zaytouna quer dizer azeitona em árabe. E por que é que esta palavra árabe dá nome à mercearia da Rua Ângela Pinto? Porque nesta mercearia só encontras produtos do Médio Oriente.

Em cada prateleira há um país diferente: Síria, Jordânia, Líbano ou Palestina. Das prateleiras para os tachos, os fãs de comida oriental já podem fazer as receitas típicas destes países.

A mercearia é um projeto de dois palestinianos: Serenah Sabbat e Hendi Mesleh. Começaram por trabalhar no Mezze – restaurante de gastronomia do Médio Oriente, onde quem cozinha são refugiados sírios – e, mais tarde, decidiram abrir a Zaytouna.

Podes encontrar bolachas, doces, especiarias, leguminosas, húmus, picles e também cervejas (sem álcool) e com vários sabores disponíveis como morango, pêssego ou ananás. A mercearia está aberta de segunda a sábado entre as 10h e as 19h.

Neste dia quentinho porque não beber as nossas “cervejas” MEZZA Sem álcool bem geladas e com sabores como maçã, morango,…

Publicado por Zaytouna em Terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Revisto por Mª Constança Castanheira

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *