Música

Keep Razors Sharp

Banda

Diretamente de Portugal chega algo muito sharp.

Depois dos singles “I See Your Face” e “9th”, eis que o supergrupo composto por Afonso (Sean Riley & The Slowriders), Rai (The Poppers), Bráulio (ex-Capitão Fantasma) e Bibi (Pernas de Alicate) afia as lâminas e lança o tão esperado primeiro álbum de estúdio – o homónimo Keep Razors Sharp.

É fora do comum existirem superbandas em Portugal. No estrangeiro são ainda mais escassos aqueles que resultam. Os Keep Razors Sharp vêm provar que sem planos e sem compromissos a coisa pode funcionar muito melhor.

Ambientes psicadélicos, guitarras estridentes e a temática presa/predador, presente em grande parte da componente lírica do grupo, são alguns dos ingredientes essenciais que compõem este álbum. Mas não é só de psicadelismos que é feito Keep Razors Sharp. Na faixa “Sure Thing”, podemos encontrar uma grande influência de ritmos arábicos e uma sonoridade mais descomprometida por parte da banda.

Este não é um álbum conceptual. No entanto, há uma enorme naturalidade de tema para tema, como se cada faixa estivesse perfeitamente intercalada ao longo do disco. Já foi referido que estes meninos não são propriamente novos no panorama musical, mas não é habitual que o primeiro CD de uma banda denote a maturidade sonora que este homónimo apresenta.

É difícil não nos deixarmos levar pela ambientação que é criada pelos arranjos e por toda a sonoridade já muito bem estabelecida pela banda. Contudo, é de notar um uso excessivo de efeitos na componente vocal, embora os mesmos sejam fundamentais para a logística psicadélica da banda, numa primeira audição tornam as letras incompreensíveis.

Mas não é por isso que este LP perde qualidade. Muito pelo contrário: no nosso replay constante de músicas vão estar temas como “The Lioness”, “I See Your Face”, “Waiting Game”, “Cold Feet” e “Sure Thing”. A faixa “By The Sea” vem dar uma outra imagem ao disco e comprovar que este pode também ser o álbum das tardes de Verão bem passadas. Por agora, temos de nos contentar a ouvi-lo durante o Outono e o Inverno e só depois experienciar o quão bom vai ser ouvir este CD durante o Verão. É um preço bastante acessível a pagar, pois o supergrupo não vai passar despercebido até lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *