Na garagem dos nossos amigos a “curtir” umas malhas

O Lux recebeu, no dia 15 de fevereiro, o concerto de apresentação do novo álbum dos Linda Martini e a banda lisboeta não desiludiu.

Poucos minutos passavam das 22h e a fila à porta do Lux já era grande. A noite estava fria, mas nunca o suficiente para demover estes fãs ansiosos que queriam ver uma das melhores bandas portuguesas da atualidade.

A noite começou com “Semi Tédio dos Prazeres” que foi entoado a plenos pulmões pelos presentes, apesar de o álbum ter estado disponível só alguns dias antes do concerto. Este aspeto demonstrou-se em todas as canções do novo álbum –  uma prova da devoção destes fãs aos Linda.


Houve tempo para passar por todos os álbuns da banda. “Lição de Voo N°1”(que como Hélio Morais disse já não era tocada há algum tempo), do primeiro EP de 2005, e “As Putas Dançam Slows” de Marsupial (2008), músicas que  surpreenderam os fãs mais antigos da banda e foram cantadas mais uma vez com as vozes de todos no alto.
“Cem Metros Sereia” fechou o concerto, e mesmo com algumas vozes a darem sinais de afonia, ninguém a deixou de cantar.

O ambiente na sala, esse, foi eletrizante do primeiro ao último segundo, como a banda já nos habitou. Houve moche pits e crowdsurfing e neste último até Pedro Geraldes, guitarrista da banda, deu um pézinho.


A ligação da banda aos fãs é única –  saímos da sala lisboeta como se estivéssemos estado na garagem a ouvir uns amigos tocar umas malhas, mas em ponto grande. Isso é raro e é o que torna os Linda Martini tão especiais, quer sejam fãs de longa data, ou este seja o primeiro concerto, sai-se sempre com uma sensação de pertença.

Era uma da manhã quando saímos do Lux com pescoços doridos e vozes roucas, mas um sorriso na cara.

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *