Neemias Queta: A Esperança de uma Nação

Neemias Queta muito perto da NBA. Fonte: Record.pt

NBA, a liga norte-americana de basquetebol, foi fundada a 6 de junho de 1946. Milhares e milhares de jogadores pisaram a quadra e tiveram oportunidade de colocar a bola no cesto. Claro que, entre eles, esteve pelo menos um português, certo? Não. Em 73 anos não houve uma única alma lusitana que chegasse (nem que sequer estivesse perto de chegar) à melhor liga de basquetebol do mundo.

Este paradigma negativo pode estar, no entanto, perto de mudar: tudo graças a um jovem do Barreiro. Neemias Queta nasceu a 13 de julho de 1999 em São Sebastião da Pedreira, descendente de guineenses. Desde cedo demonstrou ter bastante talento para a modalidade. Aliando o seu talento natural às suas excelentes qualidades físicas, Neemias rapidamente se começou a destacar nos escalões jovens do Barreirense, a sua equipa local. O jovem luso-guineense, na altura com apenas 16 anos, chamou a atenção dos olheiros do Sport Lisboa e Benfica, que o recrutaram para a sua equipa B.

Fruto dos seus bons desempenhos, Neemias mereceu a chamada à seleção de sub-18 de Portugal, tendo representado a seleção das quinas na Divisão B do Campeonato da Europa da categoria, em Talin, na Estónia. Neste torneio, o jovem poste português fez várias exibições promissoras, tendo terminado a competição com médias de 10.6 pontos e 8.3 ressaltos por jogo. No verão seguinte, Neemias viria a representar a seleção portuguesa de sub-20 na Divisão B do Campeonato da Europa da categoria, em Sófia, na Bulgária. Aqui, a sua prestação foi muito superior, tendo feito várias partidas de grande nível, incluindo o jogo contra a Hungria, onde marcou 27 pontos e conseguiu 13 ressaltos.

As médias de 14.1 pontos e 10.3 ressaltos por jogo que obteve neste torneio e as boas exibições ao serviço da equipa B do Benfica fizeram com que recebesse uma proposta da universidade americana de Utah State, onde se juntaria ao também português Diogo Brito. Neemias agarrou esta oportunidade como ninguém.

Apesar de ser uma universidade de Division 1, Utah State não é conhecida por ser uma grande potência no mundo do basquetebol académico, tendo participado apenas 20 vezes no torneio da NCAA. No início da temporada, os especialistas projetaram que Utah State terminaria em oitavo lugar na sua conferência, falhando mais uma vez a sua qualificação para a March Madness. No entanto, os Aggies surpreenderiam todos os críticos, chegando mesmo a vencer a Mountain West, batendo San Diego State na final e qualificando-se para o torneio da NCAA pela primeira vez em oito anos. Contudo, o conto de fadas iria logo terminar na primeira ronda do March Madness, aquando da derrota com a universidade de Washington.

Esta época fica marcada, no entanto, como a época de revelação de Neemias nos Estados Unidos. O número 23 dos Aggies acabou a época com médias de 11.8 pontos e 8.9 ressaltos por jogo, tendo convertido 68% dos seus lançamentos de campo. Terminou na segunda All Team da sua conferência e venceu o prémio de Freshman of the Year da Mountain West.

Neemias levanta o troféu de campeão de conferência Fonte: Las Vegas Review Jounal.

As suas boas prestações e os surpreendentes resultados da sua universidade fizeram com que o nome de Neemias começasse a aparecer associado, sobretudo pela imprensa portuguesa, ao Draft da NBA. Vendo todo o burburinho gerado à volta do seu nome, Neemias decidiu declarar o seu nome para o Draft de 2019, tornando-se apenas o segundo português na história a entrar no NBA Draft, depois de Betinho Gomes, em 2007.

Esta decisão pode parecer algo precipitada, visto que o nome de Neemias não aparece na maioria dos mock drafts nem nas listas de principais promessas. Mas as novas regras da NBA e da NCAA permitem que um atleta “não-draftado” retorne à faculdade, podendo mesmo reingressar no draft em anos seguintes. Assim, mesmo que não seja escolhido, Neemias terá a possibilidade de se mostrar aos scouts das equipas da NBA, em workouts com diversas equipas (tendo já um workout marcado com os Utah Jazz) e no Draft Combine, para o qual foram apenas convidados 66 atletas. Em 2018, 49% dos jogadores convidados para o Draft Combine foram “draftados”.

Relativamente ao jogo do poste português, Neemias é um poste “à antiga”, com grande capacidade de ressalto, um bom jogo defensivo, jogando muitas vezes ofensivamente de costas para o cesto. Este estilo de jogo, apesar de ter lugar na NBA, vai contra a tendência da liga, que é atualmente muito mais focada no tiro exterior e no espaçamento. Para aumentar as suas possibilidades de entrada na NBA, Neemias deve melhorar bastante o seu quase inexistente tiro exterior e ainda ter uma melhoria significativa na sua percentagem de lançamentos livres. No entanto, as excelentes qualidades físicas do jovem do Barreiro podem ser um grande “mais” na sua “candidatura” à melhor liga de basquetebol do mundo. Esta edição do draft sofre de uma falta de postes de grande qualidade, (podendo apenas apontar Bol Bol, Bruno Fernando e Jaxson Hayes como tal) aumentando muito as hipóteses de seleção de Neemias Queta.

Contudo, eu acredito que dificilmente o português será escolhido este ano, havendo algumas hipóteses de ser escolhido apenas na segunda ronda. No entanto, terá oportunidade para regressar à universidade e continuar a sua trajetória de grande progresso de época para época, que tem sido seu apanágio, sendo uma forte possibilidade para o draft de 2020. A esperança continua intacta para dia 20 de Junho (data do draft da NBA).

Artigo revisto por Mariana Coelho

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *