Literatura

O Sol e as suas flores: quando o óbvio é doloroso

Há alguma coisa de amargo no exercício de encararmos o óbvio e durante a leitura de “O sol e as suas flores”, de Rupi Kaur, somos constantemente colocados frente a frente com esse facto.

Comecei o mês com uma missão: ler poesia. Parece um exercício de parca força, quando colocado nestes termos, mas o que sempre me massacrou na poesia foi aquilo que não estava escrito e, pior que isso, aquilo que não estava escrito e precisava de suporte biográfico para ser compreendido.

Com Kaur acontece o contrário: o exercício de caça aos sentidos está alerta, mas não procuramos no outro ou nas suas vivências – precisamos de nos virar para dentro e isso é capaz de ser o pior e o melhor deste livro. 

Há quem acuse Rupi de uma poesia simplista, banal e desinteressante, alicerçada numa força motriz ainda muito mal encarada pela Literatura: as redes sociais. 

E, sejamos honestos, é realmente fácil ler o livro, mas não creio que seja na simplicidade do livro que reside todo o hype à volta do mesmo. Está na temática.

Dividido em cinco momentos distintos, “O sol e as suas flores” fala-nos de um coração partido. Do momento em que alguém que amamos nos magoa tanto que somos inundados por um sentimento incómodo e conflituoso. E, claro, como tudo na vida, esses capítulos de mágoa vão-se recolhendo em si. Passam de esparsos momentos de angústia a uma cura gradual e, de uma forma universal, qualquer ser humano consegue-se espelhar nessa jornada, naquele momento em que a dor passa de um grito estridente para um suspirar constante até se transformar numa memória.

Há muito sobre amor próprio, mas há também muito sobre o amor ao outro. No entanto, é quando escreve sobre a mãe que Kaur nos coloca em bicos de pés. 

Como comentámos no artigo inicial, Rupi e a sua família são imigrantes e aquilo que ela sente pela jornada e especialmente por aquilo que essa jornada retirou à sua mãe é realmente doloroso. 

Não podemos saber, podemos, se quisermos muito, adivinhar essa dor do momento em que uma mãe se sacrifica em prol dos filhos e de como incontáveis vezes esse sacrifício é sempre pedido à mulher que se anule para que os filhos vivam melhor. Rupi tem cicatrizes profundas causadas pelas circunstâncias infelizes que rodearam a mãe enquanto ela própria crescia e, por isso, porque queria incluir um pedacinho deste exercício de empatia que Kaur nos propõe a cada poema partilhar isto:

acham
que se pedir aos céus com muita força
a alma da minha mãe
podia voltar para mim como minha filha
– Rupi Kaur

A poesia é difícil por muitas razões, mas especialmente porque arrematada contra o lado esquerdo de uma página e às vezes em poucas palavras nos faz abrir espaço em nós para olharmos para dentro.  

Fotografia de Capa de Sara Cardoso

Artigo revisto por Ana Janeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *