O sonho em fazer Erasmus

Fazer Erasmus é algo cada vez mais comum nos jovens universitários. Hoje em dia, facilmente se obtém ajuda financeira por parte das escolas para se viver este tipo de experiência. Itália, República Checa e Eslovénia foram os destinos escolhidos por três alunas da ESCS, que prestam o seu testemunho.

Fonte: Catarina Gramaço/ Rita Caeiro/ Carolina Nunes

“A quem quiser fazer Erasmus, digo para fazer. Não tenham receio de sair do espaço de conforto”, afirma Rita. Rita Caeiro, aluna de -jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social, decidiu embarcar na aventura de fazer Erasmus. Roma, em Itália, é onde se encontra atualmente a estudar. Rita desde sempre pensou em fazer Erasmus, vendo o seu tio como inspiração pelas viagens que faz. Itália sempre foi o seu destino de eleição. E, apesar de preferir um destino mais calmo, Roma acabou por ser a cidade a que foi parar, sobretudo por motivos de equivalências das unidades curriculares.
“Estou aqui há um mês e meio e já tenho a certeza de que esta é a experiência da minha vida”, admite Catarina Cravinho, estudante de Jornalismo. Ir de Erasmus sempre foi um sonho para Catarina, admitindo, na verdade, que pensava que era uma experiência que nunca iria viver. O processo de escolha do destino e até de candidatura foi algo que a Catarina fez de uma forma tranquila, de ânimo leve e sem ansiedade. Brno, na República Checa, foi o destino escolhido e onde foi colocada. A República Checa sempre foi um país onde desejou fazer Erasmus e hoje afirma que “Não podia ter escolhido melhor. Brno é incrível a todos os níveis. A cidade é encantadora”.

“Consegui sair da minha zona de conforto e crescer”, afirma Carolina, estudante de Publicidade e Marketing. Quando se candidatou ao programa Erasmus +, Carolina ainda não estava completamente segura acerca da sua ida. A Europa Central sempre foi a zona onde se focou para a escolha do destino, devido ao facto de o custo de vida ser mais acessível. Para além disto, procurava um país que fosse fácil e central para viajar. “Fiquei entusiasmada, mas ao mesmo tempo com algum receio”: esta foi a reação de Carolina assim que soube que tinha sido colocada em Maribor, na Eslovénia.

Assim que se aproxima o dia da despedida, os dias são vividos de forma diferente e com sentimentos diferentes pelas três. Antes de partir, a Rita estava receosa e ansiosa. Contudo, sempre com curiosidade pelo que iria encontrar. “Despedi-me intensamente de todas as pessoas que são importantes para mim”, afirma Catarina, sendo que os sentimentos que dominou nos dias antes de partir foram a nostalgia e a curiosidade pela experiência. Carolina decidiu não criar muitas expetativas acerca da experiência e do país.
“O primeiro dia é sempre um pouco estranho. Foi quando tomei consciência de que estava realmente a fazer isto. Estava num país que não conhecia, a ouvir uma língua que não falava”, admite Rita, que considera que está a viver uma experiência muito agradável e enriquecedora, aproveitando para viajar e conhecer locais novos. No que toca ao ensino, Rita admite que não tem sido fácil, pois sente que os alunos não têm grande apoio e que os professores não prestam muito auxílio. Contudo, Rita considera que, com a ajuda dos amigos, tem conseguido ultrapassar esses obstáculos.
As amizades, os lugares, o crescimento e a adrenalina são o que mais tem fascinado Catarina nesta experiência. “Sinceramente, sem ser a saudade, não posso apontar nenhum aspeto negativo da minha experiência de Erasmus até agora”. Os serviços da faculdade e as aulas funcionam muito bem, segundo Catarina. As pessoas que conheceu são um marco muito importante, pois considera que se suportam todos uns aos outros e que se relacionam como se fossem amigos há anos. “Sinto-me em casa”, admite.
“O povo é acessível e as pessoas tentam sempre ajudar da forma que podem, ainda que sejam um pouco desconfiados, pois estiveram até há pouco tempo em guerra”, afirma Carolina. O funcionamento dos processos burocráticos tem sido positivo e as aulas têm sido acessíveis. Afirma estar a gostar da experiência.
“A quem quiser fazer Erasmus, digo para fazer. Não tenham receio de sair do espaço de conforto”, afirma Rita. Considera que é uma experiência enriquecedora, mas, ainda assim, aconselha a escolher o destino de forma consciente, devido às equivalências. A procura de quarto foi uma dificuldade para Rita. “Não deixem de ir mesmo que não vão com amigos. Vão de certeza encontrar pessoas na mesma situação, com quem poderão fazer amizades”, afirma Rita. “Erasmus é uma experiência que, acima de tudo, te faz sair da zona de conforto. As memórias que ficarão depois disto são de uma enorme gratidão. Não podia estar mais feliz”. Para além disto, Catarina considera que esta experiência junta tudo aquilo que mais gosta de fazer: viajar, conviver e divertir-se. “A experiência de Erasmus em Maribor está a ser bastante positiva. Consegui sair da minha zona de conforto e crescer. Cada dia tem sido uma aprendizagem desafiante e espero que seja assim até ao final”, resume Carolina.

Artigo revisto por Lurdes Pereira

Artigos recentes

The (not so) Good Place

Estás à procura de uma série curta e divertida para fazer binge-watching durante a quarentena? The Good Place pode ser a melhor opção. Esta série

Ler mais »

SNS e o suicídio

Não saber que o Sistema Nacional de Saúde é lento é como não saber que data é 1143: é sinal de que não se é

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *