Música

Os 10 álbuns nacionais que 2014 deixou para ti.

Podemos argumentar que qualquer ano é bom para a música portuguesa e que apenas temos de saber onde encontrá-la. Contudo, o ano que passou tornou essa tarefa muito mais fácil. Foi sem dúvida um dos melhores anos para a música nacional, quer em termos de quantidade quer em termos de qualidade.

A ESCS MAGAZINE andou de ouvidos bem abertos e, no meio de tanta diversidade, decidiu escolher aqueles que fizeram de 2014 um ano memorável para o panorama musical português.

5-30 – 5-30

Um álbum que veio acrescentar um novo capitulo ao hip-hop nacional. Este 5-30 tem muito que se lhe diga, não contasse ele com a participação de três veteranos da música urbana portuguesa: Carlão (Pacman), Regula e Fred. A somar a este trio, por si só já bastante promissor, juntaram-se nomes como Sam the Kid, Mel Hebers e Richie Campbell. Um disco que nos traz um hip-hop frio, de pés assentes no chão, rimas das más-línguas e batidas extremamente bem conseguidas.

Vídeo: Chegou a hora

Bruno Pernadas – How Can We Be Joyful In A World Full Of Knowledge

Pode parecer estranho que um álbum comece com um tema chamado “Ahhhhh”, mas não há nada neste CD que não seja fora do comum. Fora do comum no sentido em que os nossos ouvidos vão ganhar toda uma nova definição de agradável. How Can We Be JoyFul In A World Full Of Knowledge é o psicadelismo, a pop, a melancolia e a delicadeza; tudo num só disco abusivamente viciante e nada enfadonho. Bruno Pernadas é, indubitavelmente, um artista a manter por perto.

Vídeo: Ahhhhh

 

Capicua – Sereia Louca

Contar uma história é algo que toda a forma de arte deve conseguir fazer. Foi isso mesmo que esta Sereia Louca nos proporcionou, rimas sinceras que nos levam numa viagem que vai desde “Vayorken” até às ruas do Porto. Bons convidados, excelentes instrumentais, e a promessa de que o hip-hop nacional tem ainda muitos truques na manga.

Vídeo: Sereia Louca

 

B Fachada – B Fachada

E para pôr o “P” em Portugal, regressa, desta vez com um homónimo, que nos trouxe O Fim e Criôlo. Volta a eletrónica, misturada com o folclore português aliadas a uma produção mais cuidada que faz sobressair ainda mais o génio de B – se é que alguma dúvida havia da sua existência. A música portuguesa está em boas mãos, em boas letras e em boas canções. Este é sem dúvida um artista que fará história hoje e em gerações futuras levando a língua de camões como a sua principal arma.

Vídeo: Camuflado

 

Throes + The Shines – Mambos de Outros Tipos

Vamos ao rock misturado com kuduro! É mesmo esta mistela estranha que vão encontrar neste Mambos de Outros Tipos. Um trabalho progressivo com ares punks e ritmos africanos de boa disposição. Antes de ser uma combinação perigosa e arriscada é uma combinação animada com um resultado tão improvável como agradável. Se és fã de ritmos fortes diretamente do continente africano aliados a tudo de bom que a música contemporânea tem para oferecer, os Throes + The Shines pertencem à tua playlist.

Vídeo: Dombolo

 

Keep Razors Sharp – Keep Razors Sharp

O supergrupo sem compromissos que veio dar uma nova imagem ao psicadelismo e à experimentação sonora. Estes Keep Razors Sharp são uma banda que conta com uma extrema maturidade musical para o seu primeiro disco. Um álbum onde cada tema encaixa na perfeição no meio de uma ambientação pouco ortodoxa e muito garrida ao mesmo tempo. Foram uma das grandes surpresas do ano 2014 e agora resta-nos esperar pelas suas atuações ao vivo nos festivais de verão.

Vídeo: Africa on Ice

 

António Zambujo – Rua da Emenda

Já ouviste, certamente, “O Pica do 7”. Não podes, então, deixar para trás a Rua da Emenda. Este é um álbum onde coabitam sonoridades dos quatro cantos do mundo: França, Uruguai e Brasil são algumas das musicalidades com que este disco nos vai galardoar – tendo sempre o cuidado de tornar tudo muito mais “à portuguesa”. António Zambujo traz-nos um fado mais comercial, mais apelativo; traz-nos também a certeza de é um artista cada vez mais estabelecido como um dos grandes nomes da música nacional.

Vídeo do “Pica do 7″

 

Sensible Soccers – 8

Minimalismo, ambientes que nos levam para mundos utópicos, electrónica de ecos vertiginosos e oito temas que desarrumam os nossos ouvidos de tal forma que não queremos voltar à normalidade. É isto que estes futebolistas sensíveis têm para nos oferecer, num álbum que, honestamente, é das melhores surpresas de 2014.

Vídeo: AFG

You Can’t Win, Charlie Brown – Diffraction/Refraction

O Charlie Brown afinal consegue ganhar com esta grande surpresa que chegou logo no início de 2014. Um disco que conta com uma banda muito mais matura e elegante. Os detalhes dos arranjos e das composições são absolutamente deliciosos e fazem inveja a muitos nomes internacionais. Este álbum vive da quietude e melancolia em conjunto com uma explosão de sons majestosos e inspiradores. Intensidade no ponto certo é a melhor maneira de descrever este Diffraction/Refraction.

Vídeo: After December

 

Diabo na Cruz – Diabo na Cruz

Festa, tradição, boa disposição. São estes os elementos que fazem deste disco um álbum imperdível. É uma repetição daquilo a que os Diabo nos habituaram, mas uma repetição mais segura de si. Da alegria e esquizofrenia ao descanso à sombra de um chaparro; de letras debitadas a todo o gás a cantes tradicionais, este é sem dúvida o CD que comprova a condição de excelência que a música portuguesa tem para nos brindar.

Ouve aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *