Os negros – Teatro São Luiz

Negro, preto, sujo, seboso, mal cheiroso, nojento, rude, sem maneiras. Negro como o carvão, o alcatrão, a graxa. Negro com o seu cheiro, com as suas coxas dançantes, com os seus corpos de pecado. Será que é assim que o “mundo branco” via e ainda vê os negros?

O Teatro São Luiz vê, com o cair da noite, a entrada de 13 atores cuja pele é espelho do céu escuro e denso. Uma adaptação de “Le noir” de Jean Genet esteve em cena desde dia 5 de outubro e reuniu uma plateia tanto branca como negra, ao longo dos dez dias de exibição.

Foto de Estelle Valente

A obra é de uma interpretação tão densa quanto a melanina que torna a nossa pele, a pele dos negros, negra. E da mesma forma que essa densidade lhe confere esse tom tão belo, também a obra de Genet, camada após camada, se torna mais surpreendente.

A vida é um palco, e naquele palco havia 3 grupos de personagens, separados hierarquicamente por diferentes estatutos sociais e espaciais. Os brancos, num palanque com máscaras brancas e vestes mais elaboradas, representando os altos cargos da corte. Os negros, com vestes elegantes mas ainda subtis, em tons de bordô e preto, no palco observados por duas frentes de “brancos”. Os brancos, que estavam num patamar acima, observando os seus comportamentos, e o espetador tomado como branco a entreter e agradar. O público fez o papel disso mesmo, de mero espetador passivo que observa apenas o que lhe é mostrado. Neste caso, o objetivo daqueles que estavam em palco era representar duas ações paralelas, encobertas pela desavergonhada comédia, pelo drama, pelo romance, por danças e simulacros. Escondidas entre grutas, fossas tão grandes quanto as narinas dos negros que mantinham algo longe da vista e entendimento do espetador.

Foto de Estelle Valente

Não é por isso uma peça para ver apenas uma vez. Se pudesse voltava a assistir. A obra escrita por um branco trouxe sensações e palavras que ainda entoam, devido aos fortes sotaques, nos meus ouvidos. O distanciamento, a submissão, o ódio, o repúdio entre negros e de negros para brancos. O sentimento de exclusão, um misto de adulação e auto-depreciação. Quase como uma resposta automática aos anos de colonialismo. Sentimentos expressos por negros que apesar de serem de nacionalidades diferentes, tinham um vínculo mais forte que a cor da sua pele. A representação da peça mostra não apenas o que é ser negro de diferentes ângulos, mas também como nós, enquanto Homens, sentimos, agimos e muitas vezes nos deixamos iludir por pequenas tramas que atravessam o nosso caminho, não querendo assim perceber os sinais de que algo maior pode sempre acontecer.

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *