“Raparigas como Nós”

O primeiro artigo que escrevi para a ESCS Magazine foi sobre o primeiro livro de Helena Magalhães, uma autora jovem, que utiliza as redes sociais para sensibilizar os seus seguidores para a importância de viver no presente e da leitura. Pode parecer contraditório o facto de o fazer através de, precisamente, redes sociais, mas a verdade é que Helena tem como objetivo fazer com que miúdos e graúdos larguem os telemóveis e se agarrem, em vez disso, a livros, à natureza, à vida no geral.

Este ano, a escritora lançou o seu segundo livro – desta vez, um romance “young adult” –, intitulado de “Raparigas como Nós”.

Já fã do trabalho de Helena a todos os níveis, mal pude esperar para o ter em mãos. Acabei por o encontrar na FNAC e por o trazer imediatamente comigo para casa. Demorei uma semana a lê-lo – não por falta de tempo ou de vontade, mas por incapacidade de o ler depressa graças à sua intensidade.

Fonte: http://www.revistaestante.fnac.pt/helena-magalhaes-passamos-demasiado-tempo-dizer-sim-nao-coragem-dizer-nao/
Autor: Bruno Colaço, da Revista Estante

O romance conta a história de Isabel, uma rapariga perfeitamente normal, sempre acompanhada da sua melhor amiga, Alice, e dos seus livros. Com os seus sonhos ainda por definir no alto dos seus dezassete anos, Isabel leva-nos consigo das praias de Cascais ao romance já inerente às ruas de Lisboa e, dessas, à loucura de Madrid. Apresenta-nos Afonso e deixa-nos apaixonar por Simão, apesar do seu caráter perturbado. É, no fundo, uma história de amor. Um amor adolescente, daqueles que o tempo não cura e que a idade não faz esquecer.

As personagens do livro estão verdadeiramente bem trabalhadas e nós, leitores seduzidos, deixamo-las entrar na nossa casa e permitimos que nos contem as suas aventuras e desventuras. Para a geração de Helena, este foi um verdadeiro passeio pela estrada da memória – como disse, por exemplo, Alice Trewinnard.

Eu sou suspeita, não só por ser uma forte admiradora do trabalho de Helena, mas também por ter uma acentuada preferência por romances e um fraquinho por amores desencontrados, impossíveis e de cortar a respiração. Contudo, não podia deixar de vos recomendar este livro para que nele se percam e, talvez (mas só talvez), se encontrem também. 

Artigo revisto por Bruna Gonçalves

Artigos recentes

The (not so) Good Place

Estás à procura de uma série curta e divertida para fazer binge-watching durante a quarentena? The Good Place pode ser a melhor opção. Esta série

Ler mais »

SNS e o suicídio

Não saber que o Sistema Nacional de Saúde é lento é como não saber que data é 1143: é sinal de que não se é

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *