Atualidade,  Informação

Relatório da APAV divulga o balanço de vítimas de crimes e de outras formas de violência

O número de adultos agredidos pelos próprios filhos aumentou no último ano, revela o relatório anual da APAV. Desde 2013 que o número de denúncias relativas a violência têm vindo a aumentar; mulheres casadas e comprometidas representam 58,4% das queixas apresentadas.

A APAV é uma instituição particular de solidariedade social sem fins lucrativos que visa sobretudo, mas não só, apoiar qualquer vítima de crime. Todos os anos, esta instituição elabora um relatório a fim de expor o balanço das suas atividades.

O relatório divulgado esta terça-feira e referente ao ano passado revela que a APAV apoiou 9612 vítimas, dos 23.326 crimes contabilizados. É de salvaguardar ainda que uma vítima pode ser alvo de vários crimes ou outras formas de violência e que o bullying não é tipificado como sendo um crime, mas é também uma forma de violência.

“De 2013 para 2015, registou-se um aumento superior a 8% no número de processos, crimes e outras formas de violência e vítimas”, pode ler-se no relatório da APAV referente a 2015.

Captura de ecrã 2016-04-1, às 18.38.42

Neste relatório salientam-se perto dos 2300 casos de agressões entre pessoas da mesma família. No que concerne só a filhos agredidos existem 1104 casos. No entanto, o número de agressores filhos aumentou 16%. Enquanto em 2013 o número de denúncias foi 687 e em 2014 o número aumentou em 19 queixas, em 2015 registaram-se cerca de 819 pais agredidos, ou seja, mais de duas denúncias por dia.

Noutros casos de violência doméstica, contabilizam-se cerca de 2567 vítimas de violência entre cônjuges, sobretudo mulheres. Também entre companheiros, o número de vítimas de violência doméstica é elevado: cerca de 1295 casos.
A associação fez um total de 34.372 atendimentos em 2015. A linha de contacto da APAV é apenas usado em 60% dos casos. O contacto com esta instituição é feito através de uma linha grátis, 116 006, que funciona das 9 horas da manhã até as sete da tarde.

Nem tudo é negativo: o relatório frisou ainda alguns crimes que mostram pequenas descidas de ocorrência. É o caso dos crimes de violação, que baixaram 38%, ou seja, passaram de 139 queixas para 86, e, apesar de ser uma redução muito pouco significativa, os crimes de abuso sexual de crianças passaram de 106 para 102 casos.

Captura de ecrã 2016-04-1, às 18.42.48

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *