Secretário de Estado defende fim de portagens para o interior do país

João Paulo Catarino afirmou que quer o fim das portagens para as zonas do interior com a economia mais frágil. Na abertura do congresso Agenda Re-Nascer Summity, este sábado em Pedrógão Grande, explicou também alguns dos problemas no desenvolvimento e os avanços que já foram feitos no interior.

O secretário de Estado para a Valorização do Interior, João Paulo Catarino, defendeu a abolição, na próxima legislatura, das portagens no interior. As vias rodoviárias que servem aqueles territórios devem ter obviamente esta redução de custos no contexto, que é brutal, e nalguns casos devem ser abolidas quando tivermos condições para isso”, afirmou em declarações aos jornalistas.

A disponibilização de 800 milhões de euros, exclusivamente para o interior, tornou desnecessária a criação de um programa específico para essa zona do país por parte do Governo. Segundo o secretário de Estado, é preciso registar quais as zonas mais frágeis social e economicamente e criar políticas públicas específicas com a ajuda dos agentes locais. João Paulo Catarino espera que isso seja conseguido no próximo quadro comunitário.

O secretário de Estado admitiu que estes dois últimos quadros comunitários ignoraram as diferenças, ainda grandes, entre o litoral e o interior. “Se nos primeiros quadros comunitários se resolveu o problema das infraestruturas, o problema foi quando, com estas questões resolvidas, começámos a desenhar um quadro comunitário da mesma forma para o país todo, quando tínhamos dois países completamente diferentes”, afirmou.

O Governo tem resolvido a situação das diferenças entre o litoral e interior, “territorializando a política e separando os quadros comunitários”. Os planos dentro desses quadros comunitários são feitos exclusivamente para o interior e as empresas do litoral não concorrem, como o Plano de Revitalização do Pinhal Interior e o Programa Valorizar para o turismo.

 

Corrigido por: Beatriz Pardal

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *