Sindicatos estimam adesão superior a 80% à greve dos transportes e empresa aponta 13,5%

A IP-Infraestruturas de Portugal informou que a adesão dos trabalhadores à greve de hoje até às 16h foi de 13,5%; já a Fectrans diz que a adesão foi superior a 80%.

A IP-Infraestruturas de Portugal informou que a adesão dos trabalhadores à greve chegou quase aos 14%. Por outro lado, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) assegurou que a paralisação alcançou “ao longo do dia uma adesão superior a 80%” e que “esta adesão está a provocar a paralisação da atividade destas empresas, quer na área da gestão das infraestruturas ferroviárias, quer na da gestão de infraestruturas rodoviárias.”

De acordo com a Fectrans, as gestões regionais da rodovia “estão encerradas ao público, devido a adesões superiores a 80%, assim como estão encerrados serviços de manutenção nos locais atrás referidos.”

“Na gestão das infraestruturas ferroviárias a adesão também é bastante elevada, o que está a provocar a supressão da maioria da circulação ferroviária e a provocar perturbações no transporte de passageiros da CP e Fertagus e no transporte de mercadorias”, refere a federação.

O motivo da adesão, segundo a Fectrans, é o facto de os funcionários considerarem “insuficiente a última proposta do governo/administração que, para a generalidade dos trabalhadores, se traduz num acréscimo de 0,54 euros no subsídio de refeição e mais 0,5% no subsídio de escala (para uma parte dos trabalhadores) a partir de 1 de janeiro de 2019, sem que haja qualquer valorização das tabelas salariais.”

A federação acrescenta ainda que haverá reunião das organizações de trabalhadores, em Lisboa, para avaliar a greve e “preparar a resposta ao último documento entregue pelo governo/administração da IP.”

Artigo corrigido por Rita Serra

Artigos recentes

Um adeus a Luis Sepúlveda

Um mês depois da sua morte devido à covid-19, Luis é ainda relembrado – com uma história de vida incrível, certamente memorável para muitos. Escritor,

Ler mais »

Problemas maiores, Carlos?

Claro que eu não discordo totalmente do ponto fulcral. Há problemas maiores. Haver pessoas a morrer é pior do que eu não ter conseguido celebrar

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *