Somos seres humanos ou somos jogadores?

Se a vida fosse um jogo, Marta tê-lo-ia perdido. Fugiu de tudo, com medo de uma decisão que, por circunstâncias do destino, nunca foi tomada. 

Jogo de Damas é um drama, escrito e realizado por Patrícia Sequeira, que teve a sua estreia em 2016 no Lisbon and Sintra Film Festival. É protagonizado por Ana Nave, Ana Padrão, Fátima Belo, Maria João Luís e Rita Blanco.

Neste filme são-nos apresentadas cinco mulheres, amigas de longa data, cujas afinidades se encontram ameaçadas ou apagadas por diversos segredos. Voltam a reunir-se no funeral de Marta, que, apesar de estar fisicamente ausente, está presente em espírito, até nas paredes da sua antiga casa, algures no Alentejo.

Este é um filme de atrizes, de mulheres, que preenchem um cenário limitado, operando como peões de uma peça prestes a ser encenada. A história, que parece simples por nunca se complicar, tem, por detrás, um processo complexo. “Isto começou como um jogo, um exercício para atrizes”, diz Ana Padrão.

Fonte: IMDB

Patrícia Sequeira confessou à revista Sábado que a ideia original surgiu de maneira clara: “Tinha vontade de trabalhar com estas cinco atrizes e construir uma história que servisse esse propósito. Tinha vontade de que este não fosse um processo normal – ter um guião e depois ir lá filmá-lo… quis convidá-las a entrar no processo de criação”. 

O ponto central de todo o filme acontece quando Dalila (Ana Padrão) decide ler a carta que Marta deixou, mudando ali todo o rumo da história. O processo de leitura das cartas foi uma das partes mais emotivas ao longo do processo. Todas as atrizes tinham uma carta que só elas podiam ler. 

Fonte: Sábado (https://www.sabado.pt/gps/detalhe/um-encontro-de-damas)

O ponto alto do filme é assente no trabalho de criação envolto das atrizes, que, devido à sua afinidade fora das câmaras, acabaram por trazer mais de si às personagens e à amizade existente entre o grupo.

Os pontos negativos passam pelo facto de o filme se reger muito por aquilo que já é esperado, acabando por apenas cumprir aquilo que foi exigido, mas não mais que isso.

Apesar de tudo isto, é um filme que aconselho a ver. Devido não só à brilhante interpretação das atrizes, que se entregam de corpo e alma às personagens, mas também por ser um filme português que foge à tradicional comédia a que estamos habituados.

Revisto por Ana Rita Curtinha

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *