• Opinião

    Quando ateiam o meu fogo

    Não sou alguém particularmente sério, como já deu para perceber, mais ou menos. Não levo responsabilidades muito a sério, e prefiro fazer aquilo de que gosto mesmo quando tenho prazos a cumprir. Isso traduziu-se num aproveitamento académico mais fraco, mas consegui sempre ser suficientemente decente. Da mesma maneira, sou uma pessoa razoavelmente bem humorada, e gosto de me armar em engraçado, como também já deu para perceber (espero), mesmo em situações menos apropriadas e quando o tópico de discussão é mais delicado. Muitas vezes falo alto demais com muita gente à minha volta e sou muito pouco discreto quando me pedem para olhar para algum lado discretamente, por exemplo. No…

  • Atualidade

    Portugal mantém o combate às chamas após “o pior dia de sempre” de incêndios

    O combate às chamas e a contabilização do número de vítimas mortais e feridos continuam, após aquele que foi considerado “o pior dia do ano” relativamente a incêndios, com 524 ocorrências registadas no território nacional continental ao longo das 24 horas de domingo. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera anunciou esta sexta-feira que Setembro terá sido o mês mais seco da Europa em 87 anos. Este terá sido um dos fatores apontados como decisivos para o deflagrar descontrolado das chamas, juntamente com a temperatura anormal que se fez sentir (cerca de 10º C acima do habitual para esta época do ano), monoculturas eucaliptais, negligência, fogo-posto e desordenamento e…

  • Opinião

    Pyrotechnic Show

    Todos os anos, assistimos a um lamentável espetáculo de pirotecnia em Portugal, seja por fogo posto, seja por causas naturais. Se analisarmos as estatísticas, o ano com maior número de incêndios e maior perda económica foi 2005 (quase 36 mil ocorrências e uma fatura de 757 milhões de euros). O ano com mais área ardida foi 2003 (cerca de 425 mil hectares) e o ano mais fatal foi 2017, devido a Pedrógão Grande (até agora, 64 mortos). É verdade que os incêndios ocorrem em todo o mundo. No entanto, o mais grave de tudo isto é o facto de quase metade dos incêndios terem origem em fogo posto, ou seja,…