• Informação

    Estágios melhoram níveis de empregabilidade

    Um estudo divulgado pela Universidade de Aveiro (UA) afirma que os cursos com estágios profissionais dão mais empregabilidade ao licenciados. Os estágios curriculares e o seu impacto na empregabilidade dos licenciados é o título do estudo. Foram analisadas 1158 licenciaturas, 48% das quais incluíam estágio. Esta opção “tende a reduzir as taxas de desemprego dos licenciados em cerca de 15%”. Os estágios que atravessam toda a licenciatura e não apenas o final desta têm melhores resultados. Os alunos e a instituição apercebem-se do que as empresas procuram e adaptam o seu estudo/currículo. Os alunos ganham também experiência na sua área que complementa o conhecimento teórico da faculdade ou politécnico. Gonçalo…

  • Informação

    Pessoas com cursos superiores recebem mais 1,7 milhões de euros

    Um estudo promovido pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) afirma que um aluno com uma licenciatura ganha mais 1,7 milhões de euros até à reforma (dos 20 aos 65 anos) do que um com apenas o 9.º ano. Em colaboração com o economista Mário Centeno, do Banco de Portugal, foram calculadas as diferenças salariais de alunos que concluíam os vários ciclos de ensino, chegando à conclusão de que o investimento na educação compensa. Este estudo foi revelado na Conferência “Educação 2020 – Agenda para uma legislatura”, promovida pela Associação EPIS – Empresários pela Inclusão Social. O orador, o presidente do CNE, David Justino, destacou a importância do prosseguimento de estudos…

  • Informação

    Crato não considera excessivo o número de licenciados

    Face à notícia avançada ontem pela ESCS MAGAZINE, em que a chanceler alemã, Angela Merkel, manifesta a sua preocupação com o excessivo número de alunos licenciados em Portugal, o Ministro da Educação Português veio discordar, afirmando precisamente o contrário. Para além da questão do elevado número de alunos com licenciatura, Angela Merkel relembra ainda os Portugueses que existem outras opções para quem quer prosseguir com os estudos, nomeadamente o ensino profissional ou vocacional. Perante estas recomendações, Nuno Crato veio responder à chanceler, dizendo que não concorda com o facto de Portugal ter licenciados a mais. Se não está de acordo com a governante alemã neste aspecto, o mesmo ja não…

  • Informação

    “Portugal e Espanha não têm noção das vantagens do ensino vocacional”

    A chanceler alemã Ângela Merkel garantiu, esta terça-feira, que em países como Portugal e Espanha, onde o número de licenciados é demasiado elevado, os cidadãos tendem a não valorizar o ensino vocacional e a remetê-lo para um plano secundário. Numa reunião da confederação das associações patronais daquele país, a líder da Alemanha afirmou que em países como os da Península Ibérica se deve apostar em tentar quebrar a crença de que os estudos universitários são algo que conduz os estudantes a posições de destaque nas diferentes carreiras. Isto porque se os estudantes perceberem que há mais opções — muito mais viáveis — para além da universidade, vão apostar no ensino…