• Atualidade

    “Não me calo!”

    Oito de março é marcado internacionalmente como o Dia da Mulher. Neste dia, dezenas de portugueses (homens e mulheres) marcaram presença no Rossio numa paralisação feminista intitulada “Não me calo”. Começou a ser celebrado na viragem do século XX, mas tem origem na celebração da luta de mulheres trabalhadoras americanas do setor têxtil que, em 1857, foram reprimidas pela polícia e consequentemente mortas num incêndio numa fábrica. O Dia Internacional da Mulher foi adotado pelas Nações Unidas em 1977 e ainda hoje se continua a celebrar por todo o mundo. Numa iniciativa da plataforma argentina Ni Una Menos, dezenas de mulheres e de homens juntaram-se no dia 8 de março…

  • Informação

    41 Anos depois do 25 de Abril

    O capitão de abril Vasco Lourenço afirmou durante a marcha que se realizou este sábado à tarde em Lisboa, que, se PSD e CDS-PP estiverem “satisfeitos com a porcaria que têm feito” devem continuar juntos, acrescentando ainda que não percebe “como é que, depois de tantas asneiras que fizeram ao longo destes quatro anos no Governo, ainda digam que têm hipótese de ter uma votação maioritária. Mas deixem-nos sonhar, o sonho é livre.” Esta reação surgiu depois de o PSD e CDS-PP terem anunciado que vão fazer uma declaração conjunta ao país sobre a coligação. Relativamente ao dia escolhido para a comunicação conjunta, disse apenas que “há muita gente que…

  • Informação

    “Juventude em Marcha – Trabalho com Direitos! Contra a precariedade e Exploração!”

    “Uma coisa são os cofres cheios, outra coisa são as barrigas vazias”, afirmou este sábado Arménio Carlos, em declarações à Lusa, na Praça da Figueira, em Lisboa, de onde partiu a marcha “Juventude em Marcha – Trabalho com Direitos! Contra a precariedade e a Exploração!”. O Secretário-geral da CGTP- IN disse que “a ministra das Finanças pode estar muito satisfeita por ter dinheiro para pagar aos credores com juros usurários”, no entanto defendeu que “a esmagadora maioria do povo não está melhor”. Para o dirigente sindical basta olhar para aqueles que “não têm emprego ou estão em subocupação” e para “os trabalhadores licenciados cujas ofertas do Instituto do Emprego e…