• Música,  Sem Categoria

    “The cure” for all your evils

    Pouco passa das 21h. O Meo Arena está quase cheio, e os muitos “crescidos” presentes parecem emanar uma felicidade infantil, quase eufórica. Foram previamente “brindados” com um concerto de abertura dos britânicos The Twilight Sad e esperam ansiosamente pela atração principal, encontrando-se animados. Por fim, sobe ao palco a banda que marcou o percurso inicial de muitos jovens de meia-idade que se deslocaram até ao Parque das Nações para reavivar a memória e voltar atrás no tempo: com a ironia pertinente de “Open”, os The Cure abrem o concerto. Envolvendo os mais velhos numa nuvem nostálgica do passado, e os mais jovens na alegria jocosa do presente, a banda britânica…

  • Música

    Boys Don’t Cry, mas 25 e 35 anos de rock são um marco.

    O mês de Maio é um mês de celebração para os The Cure. A banda de rock britânica, formada em 1976, em Crawley, lançou os seus discos Three Imaginary Boys e Disintegration em Maio de 1979 e Maio de 1989, celebrando o trigésimo quinto e o vigésimo quinto aniversário no corrente mês, respectivamente. Three Imaginary Boys foi o álbum de estreia da banda. Contava com a formação inicial e, portanto, Robert Smith na guitarra e na voz, Laurence Tolhurst na bateria e Michael Dempsey no baixo. O disco do final dos anos 70 contém 13 faixas, existindo ainda versões demo (no cd da versão especial), de músicas do clássico sucessor…