Desporto

O estranho momento do Valência CF

O Valência vive um momento estranho na liga espanhola. As competições europeias são o grande objetivo da equipa de Bordalás, mas estas parecem quase inatingíveis. Passadas 31 jornadas, os Che não foram além do nono lugar no campeonato, estando assim a 12 pontos da sexta posição, que pertence ao Real Sociedad.

O lugar de acesso ao play-off da Conference League parece cada vez mais distante. Nos últimos quatro jogos soma três empates e apenas uma vitória pouco expressiva frente ao Elche (0-1).

Apesar de nas últimas épocas estar em reconstrução financeira, o que impossibilita os melhores resultados, continua a ser uma das equipas esperadas nos lugares cimeiros da tabela, dado o seu valor histórico. É algo que não se tem verificado, mas que tende a tomar um rumo cada vez mais animador para os adeptos valencianos.

José Bordalás foi a bomba de oxigénio que o Valência precisava. Conseguiu trazer novas ideias de jogo e aproveitou da melhor forma os novos reforços e os craques que a equipa já tinha. Ainda assim, muitas continuam a ser as falhas e fragilidades que não permitem que seja o Valência glorioso dos velhos tempos.

Será esta a estratégia mais fiável?

A equipa Che centra o seu jogo em dois criativos e desestabilizadores, Bryan Gil e Gonçalo Guedes.

O reforço de inverno espanhol rapidamente assumiu um papel diferenciador na equipa e é ele que, muitas vezes, a impulsiona para situações de finalização. Já o português é a estrela da equipa e é o jogador que mais contribui com golos e assistências, 13 e 6 respetivamente.

Os adversários rapidamente perceberam que parando estes dois jogadores travavam perigosas hipóteses de golo. É certo que esta estratégia pode beneficiar o Valência, ganhando livres e mesmo grandes penalidades, porém prejudica a condição física destes jogadores. O avançado espanhol, frente ao Cádiz, perto dos 80 minutos, viu-se obrigado a sair de campo sem conseguir andar, depois de sofrer consecutivas entradas fortes. Gonçalo Guedes é constantemente massacrado em campo e é o terceiro jogador da La Liga a sofrer mais faltas (65).

Fonte: Diário AS

Por outro lado, a instabilidade defensiva é notória e a incapacidade de fazer chegar a bola ao último terço do campo não permite que o golo se concretize. A falta de estabilidade e consistência mostra-se quando, depois de se adiantar no marcador, baixa o ritmo e permite que o adversário chegue ao empate, tal como aconteceu no jogo da 31.ª jornada, frente ao Rayo Vallecano, que conseguiu igualar a partida aos 83 minutos.

Possibilidade de salvar a época

Mesmo com uma temporada difícil, o clube conseguiu fazer uma campanha bastante positiva na Taça do Rei. Depois de vencer o Athletic, com um golo de Gonçalo Guedes, o Valência carimbou a presença na final desta taça, onde vai defrontar o Real Betis.

Depois de, em 2019, aos comandos de Marcelino Toral, ter vencido esta prova, a possibilidade de voltar a disputar uma final permite que a época possa ser mais colorida, mesmo que o objetivo de chegar às competições europeias não seja cumprido.

Fonte da capa: Futebolizando

Artigo revisto por Beatriz Neves

AUTORIA

A paixão pelo desporto foi o que a fez querer escrever para a Magazine. Encontra no desporto, tal como na música, a maior forma de liberdade e aprendizagem. Só precisa de um bom concerto e um bom jogo de futebol para ser a pessoa mais feliz do mundo. Considera-se uma pessoa justa e por isso a imparcialidade estará presente em cada um dos seus artigos.