7ª Arte

Winter on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom – O poder do povo unido

Entre 2013 e 2014, durante 93 dias, milhares de Ucranianos enfrentaram as forças policiais, lutando contra um governo ditatorial que ameaçava a liberdade do povo. Os relatos na primeira pessoa foram reunidos por Evgeny Afineevsky, diretor do documentário Winter on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom, e Den Tolmor, responsável por escrever o guião. 

Tudo teve início com uma manifestação estudantil pacífica, na (praça) Maidan, em Kiev. Os jovens erguiam cartazes e gritavam palavras de ordem, pedindo ao presidente ucraniano na época, Viktor Yanukovych, que se aproximasse da União Europeia, em vez de estreitar relações com a Rússia. Mas o evento mudou de figura quando o corpo policial começou a atacar os manifestantes, provocando várias vítimas inocentes. 

Fonte: IMDb

O governo queria cortar o mal pela raiz, mas obteve a reação oposta.

Mas os estudantes não baixaram os braços. Pelo contrário, a manifestação despertou o interesse de uma grande camada da população Ucraniana que se juntou ao movimento. Crianças, jovens, adultos, idosos, homens, mulheres, artistas, religiosos e, até mesmo, ex-militares uniram-se contra o regime. Iniciava-se, então, a guerra entre o povo e o presidente pró-russo, Yanukovych.

E o protagonista do documentário é mesmo o povo da Ucrânia. O diretor Evgeny Afineevsky utilizou mais de 20 fontes diferentes e gravações de pessoas presentes nos vários protestos, responsáveis por transmitirem todo o ambiente de tensão e horror sentido nas diversas frentes. E as cenas de terror não são censuradas. A violência impiedosa da Berkut, a polícia de choque local, é clara nos vários momentos em que ataca civis estendidos no chão ou em que dispara contra manifestantes sem vida. É desta forma que a longa-metragem denuncia a onda de violência, sangue e morte vivida ao longo de três meses do inverno ucraniano.

Fonte: IMDb

São vários os testemunhos revelados ao longo do documentário: uma ativista relembra a força dos manifestantes durante os 93 dias; uma médica recorda as vidas salvas, lamentando, com lágrimas nos olhos, todas as outras que se perderam; uma jornalista conta a história de um jovem rapaz que entrevistou, mas que acabou por perder a vida no meio dos confrontos policiais; até mesmo uma criança que luta com a sua fisga, ao lado dos mais adultos, acreditando num futuro melhor para toda a sua geração. Os relatos reunidos são impressionantes e fazem refletir.

Não posso aceitar, depois de tantas guerras que já tivemos no mundo, que continuemos a resolver os nossos problemas matando-nos uns aos outros.

93 dias e milhares de vítimas depois, os manifestantes que permaneciam de pé fizeram um ultimato ao presidente ucraniano: ou Yanukovych se demitia, ou enfrentava a força do povo. Horas depois, o presidente pró-russo fugiu de Kiev, exilando-se na Rússia.

Fonte: IMDb

A luta do povo Ucraniano tinha chegado ao fim, por enquanto, revelando a importância das manifestações e da união do povo, fundamental para alterar o rumo da história. Esta é uma obra que afirma, em alto e bom som, o poder das bases, revelando que, de facto, a união faz a força. Mas com muitos sacrifícios pelo meio.

Fonte: IMDb

O documentário de Evgeny Afineevsky é necessário e urgente para toda a sociedade contemporânea. Serve como uma aula de História que, no futuro, não passará de várias linhas no interior de um manual escolar. É uma obra que, certamente, não deixará ninguém indiferente, mostrando a grande e dolorosa História da Ucrânia que, todos os dias, continua a lutar contra a soberania, rumo à liberdade.

 Fonte da capa: IMDb

Artigo revisto por Ana Damázio

AUTORIA

+ artigos

Perdidamente apaixonado pelo mundo do audiovisual. Adora procrastinar: ficar em casa, enrolado em mantas com uma caneca quentinha de chá enquanto vê um filme ou uma série é o seu passatempo preferido. Apesar de ser tímido, é através das palavras que consegue exprimir os seus pensamentos.