Vamos ser crescidos e honestos: a menos que queiras mesmo, mesmo, mas mesmo muito, não vais sair das redes sociais. Não será só porque puseste como resolução de ano novo. Isso é mau?

Diria que não necessariamente. Precisas é de as usar de uma forma que de facto te acrescente alguma coisa. As redes são tuas e, portanto, a aranha és tu. Escolhe a melhor maneira para ti. A verdade é que as redes sociais são ferramentas – boas, por sinal. Mas estão cheias de armadilhas, como sabes.

As pessoas postam o melhor de si – e, naturalmente, ninguém iria pegar numa câmara a meio de uma discussão ou durante um ataque de choro. Não seria lógico, especialmente porque seria estranho mostrarmos a nossa intimidade e fragilidade a centenas ou milhares de seguidores. 

As redes sociais não são realistas. Ninguém tem uma vida perfeita, mas não devemos por isso apontar defeitos a tudo. É, então, necessário encontrar um equilíbrio em que não sintamos nem inveja e pressão para sermos perfeitos nem rancor e altivez. A expressão “you do you” nunca foi tão necessária e verdadeira.

Faz exatamente aquilo que queres com as tuas redes. Põe as fotografias que estão menos giras, mas que são as mais queridas; confessa momentos menos espetaculares se isso fizer sentido para ti; não te contorças numa ginástica de nível de circo para tapar uma “gordurinha” que seria antinatural não teres. Se tu não és igual a mil outras pessoas, porque é que as tuas redes são? 

Fonte: Daria Nepriakhina/Unsplash.

É quase um ato de ativismo ser menos “impecável” nas redes sociais. De repente perdemos toda a noção de liberdade, criatividade e expressão: damos por nós a pensar e repensar a legenda das nossas fotografias, a publicar apenas aquilo que achamos que os outros querem ver e a auto-censurar os comentários nas nossas próprias fotografias. Sê um bocadinho mais livre.

Deixa de seguir contas que te façam sentir mal, não sigas pessoas por educação e tira do teu feed pessoas que te fazem duvidar de se devias postar coisas que são para ti honestas e queridas. Usa os teus perfis para espalhares aquilo que gostavas de ver espalhado e aquilo que te faz sentir autêntico. Segue contas que te inspirem, te alegrem e te motivem a fazeres melhor. Posta com confiança aquilo de que gostas, que é verdadeiro e com o qual estás confortável.

Porque não estar melhor nas redes? Tu és a aranha e podes escolher fazer tudo de forma a não ser necessário sair.

Corrigido por Adriana Alves.

Fonte da imagem em destaque: Allie Smith/Unsplash.

Artigos recentes

Dicionário web-summitês-português

            A páginas tantas do Livro de Desassossego, Fernando Pessoa – ou Bernardo Soares, como preferirem – escreve, a respeito a língua portuguesa, a afirmação

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *