A insustentável beleza humana de um Robot

Cartaz alternativo do filme. Fonte- IMDB

Spielberg pegou no projeto de Kubrick e deu ao mundo um dos mais belos filmes da sua cinematografia – uma dança dramática entre a crueldade e o amor humano num mundo cheio de máquinas.

Durante mais de 18 anos, Stanley Kubrick pensou e preparou uma estória de um Pinóquio dos tempos modernos –  centrada na luta pela humanização da máquina e na possibilidade de esta ter emoções e contradições que a tornassem num verdadeiro ser humano. O projeto não seria concluído pelo realizador de 20001 Odisseia no espaço, sendo que a sua última obra acabaria por ser De Olhos Bem Fechados (emaranhado de amores do casal sensação da altura Cruise|kidman). Profundo admirador da obra de Steven Spielberg, em especial do “seu” ET, Kubrick deixou nas mãos do todo poderoso realizador a tarefa de terminar a sua obra.

Recorrendo a uma breve síntese, AI Inteligência artificial traz-nos a estória de David –  um menino-robô, de apenas 11 anos, criado para ter emoções, que quer ser de carne e osso –  num contexto de crescente celeuma entre humanos e robôs. David, interpretado por Joel Osment, é adotado por uma família, mas não consegue conquistar o afeto dos seus pais. Sonha, por isso, encontrar a Fada Azul, que será capaz de o tornar num ser humano real e, assim, ser aceite pelos seus pais.

Steven Spielberg, fonte IMDB. Foto de Jeff Vespa – © WireImage.com

Temos ecos de outras obras de Spielberg. É, certamente, impossível não relembrarmos o grandioso Imperio do sol, onde um pequeno Christian Bale faz uma jornada pela segunda grande guerra. No entanto, em AI, há uma comoção permanente e diferente que o distingue do épico de guerra. Há uma obsessão pelo “negro” e pelo cenário apocalíptico (o que explica a magnífica sequência de destruição de múltiplos robôs numa arena futurista de gladiadores). No argumento, voltamos aos dramas familiares, que marcaram presença em quase todos os filmes do realizador de A Cor Púrpura,  sendo um dos temas“spielberguianos” mais presentes no filme. É, também, um filme dos inadaptados, numa clara relação com a infância sofrida do realizador norte-americano – que sofreu tanto com o preconceito de ser de família judaica como com a separação dos seus pais.

As prestações de Joel Osment e Jude Law, no papel de brinquedo sexual de humanos, Gigolo Joe, são de enaltecer. Osment (menino prodígio de O Sexto Sentido) transmite ao espectador uma permanente comoção e simpatia. No caso de Law, o britânico tem o papel da sua carreira numa dança entre o escárnio e a cumplicidade.

E o fim? Ora, uma ascensão de Osment a uma subaquática Manhattan – onde espera pelo amor da sua mãe, num misto de religião e filosofia. Dá-se, ainda, uma quebra das leis físicas alcançando um novo mundo quântico quando uma “força exterior” oferece à personagem de David uma derradeira oportunidade de conseguir um dia de amor com a sua mãe, tornando-o  naquele que acabaria por se tornar num dos mais comoventes fins de filme da história do cinema americano.

Artigo revisto por Bruna Gonçalves

Artigos recentes

The (not so) Good Place

Estás à procura de uma série curta e divertida para fazer binge-watching durante a quarentena? The Good Place pode ser a melhor opção. Esta série

Ler mais »

SNS e o suicídio

Não saber que o Sistema Nacional de Saúde é lento é como não saber que data é 1143: é sinal de que não se é

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *