Capital

Acho-te graça, oh Graça!

A cidade de Lisboa está construída em cima de sete colinas. No alto de cada uma delas temos miradouros que nos permitem desfrutar de uma bela vista. Temos os bem conhecidos, como o miradouro de São Pedro de Alcântara, que chegou a ser cenário de um dos videoclips do cantor espanhol Pablo Alboran, aos mais escondidos. O miradouro da Nossa Senhora do Monte é uma das jóias escondidas dos alfacinhas.

Para encontramos a beleza absoluta temos que “sofrer”. O miradouro encontra-se no típico bairro da Graça. Para chegar lá acima, temos que apanhar o “velhinho” 28. Na praça do Martim Moniz, a fila para subir até ao Castelo é enorme e composta, na sua maioria, por estrangeiros. Gauleses, Espanhóis, Brasileiros e Nipónicos querem ter uma visão panorâmica da Olissipo dos Romanos. Para aqueles que preferem uma viagem alternativa, os tuc-tucs são uma excelente opção. Vinte minutos depois, o batalhão de turistas e os poucos populares que estavam no eléctrico ─ estes já estão habituados aos inusitados vizinhos de banco e muitas vezes fazem de guias, mesmo que a língua seja o principal obstáculo ─ descem no local indicado. Na rua da Senhora do Monte, encontramos as típicas vivendas com anjinhos de mármore e azulejos verdes.

Numa dessas casas, viveu a jornalista Angelina Vidal. Esta viveu no século passado e realizou um grande trabalho em prol dos direitos das mulheres. Para celebrar a sua vida e obra, a junta de freguesia da Graça colocou uma placa na casa que ainda existe. Logo à entrada do miradouro, temos algo que é comum a todos, um mapa da cidade feito em azulejo.

Mas o que faz deste local especial é a vista. O miradouro é um local pequeno mas bastante concorrido. De manhã e ao fim da tarde, são os idosos quem vem descansar um pouco a vista e o corpo cansados, depois de uma ida às compras. Os adolescentes aproveitam a hora do almoço na escola para praticarem parkour nos degraus da capela, com o mesmo nome, ou comer nos bancos do jardim. A imagem da nossa senhora do monte está à vista de toda a gente e é mantida por um grupo de crentes. Todos os Domingos realiza-se aqui missa.

Por companheiros, tinham um casal de enamorados, que de olhos fechados tentavam escutar o coração de Lisboa. Daqui vê-se o Terreiro do Paço (a enorme sala de estar), o Castelo de São Jorge, com a bandeira nacional a flutuar ao vento, e também o renovado largo do Martim Moniz. A capital é cada vez mais uma “caldeirada” multicultural. Li tem 26 anos e anda há 9 meses na estrada.

Lisboa é a sua última paragem na Europa. O ano sabático que tirou da empresa de tecnologia onde trabalha, em Hong Kong, está quase a acabar. Antes de apanhar o avião para casa, veio dar um último adeus a Lisboa. Já James e Katrina acabaram de chegar. Foi só tempo de colocar as malas no cacifo do hostel e sair à descoberta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *