As 3 razões pelas quais deixei de ver Riverdale

Este mês trago-vos uma proposta diferente. Para fugir à habitual review das séries, decidi enumerar as razões pelas quais deixei de ver Riverdale.

Primeiro, acho importante dizer que Riverdale é uma série que tinha tudo para dar certo. E, apesar de a dinâmica ser diferente, pois aqui temos uma temporada, um crime, fazia-me um pouco lembrar do Bando dos 4 e de Uma Aventura. E tenho a dizer que a primeira e a segunda temporada estão bastante boas, com um bom enredo.

O problema foi quando começaram a tornar Riverdale num musical. E esse é o primeiro motivo para ter deixado de assistir. Eu sei que na primeira e na segunda temporada também temos a presença de música. No entanto, termos quatro personagens que cantam, porque essa é uma caraterística delas, é diferente de termos todo o elenco a cantar. Senti que a essência da série se perdeu e que estava perante uma mixórdia de temáticas: crime, drama, musical, romance, suspense e terror.

O segundo motivo foi a incoerência temporal. O ambiente que esta série me transmite é um ambiente mais vintage, sentido através do cenário, dos carros, das cores predominantes e do vestuário usado. No entanto, as personagens têm iphones da última geração, o que para mim não faz sentido.

Fonte: MDEMULHER

E, para finalizar, o terceiro motivo está na terceira e quarta temporadas, ou a temporada do jogo de tabuleiro Gryphons and Gargoyles e da famosa Quinta. A temporada da Quinta começou por ser bastante interessante, porque abordava os cultos e as lavagens cerebrais feitas aos adolescentes, mas o fim que lhe foi dado foi ridículo e muito rápido.

Se ainda não viste a série e estás a ler este artigo, apesar de soar incoerente, aconselho-te a ver a série e a tirares as tuas próprias conclusões. Pode ser que tenhamos opiniões parecidas… ou não.

Artigo corrigido por Rita Asseiceiro

Artigos recentes

Deve o humor ter limites?

Assistimos hoje ao contrassenso conflituoso entre a liberdade de expressão e a hegemonia do politicamente correto. Se, por um lado, somos ativistas do “sê quem

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *