• Opinião

    O poder do humor na desconstrução moral da sociedade

    Em Portugal, a stand-up comedy tem crescido fortemente, bem como os canais de YouTube que servem de palco aos humoristas. A verdade é que o humor tem tido um papel fundamental na desconstrução dos valores morais da sociedade. As pessoas riem-se das piadas que lhes são dirigidas, porque o humor incorpora fenómenos de identificação. Contudo, os humoristas portugueses continuam a ser alvo de críticas pelas suas piadas. A censura continua a existir e, por vezes, a liberdade de expressão que a democracia conquistou parece estar a perder-se por motivos mesquinhos. Se há limites para o humor, também há limites para a liberdade de pensamento. Se as pessoas se ofendem e…

  • Opinião

    Até onde nos leva o extremismo?

    Com a conjuntura política, económica e social cada vez mais incendiada, os polos sociais estão cada vez mais intensos. Há quem diga que “o extremismo não leva a lado algum”. Que agora, nesta aldeia global – e digital – que vivemos, é algo que lemos com mais frequência. Mas será que é mesmo assim? Antes de mais, responder a esta questão implica que se escrutine o termo. De acordo com o dicionário da Língua Portuguesa, por extremismo entende-se a “adoção de teorias político-sociais extremas”, o que por si só implica que é uma crença, uma comunicação, um comportamento, uma expressão essencialmente política, com o objetivo de intervir para mudanças na…

  • Opinião

    Culpemos a arte

    Sou uma pessoa de diálogos. Gosto de me perder em conversas, de sentir a necessidade de refletir sobre o que queria falar antes de todas as voltas e de todos os  assuntos que trouxe. Sentir que a pessoa me ouviu a divagar pelas ondas do pensamento até me aperceber de que já nem sabia do que estava a falar antes de me perder…  Porque a verdade é que estava tão absorvida em querer partilhar visões que o que comecei a contar já não era importante. Provavelmente, a outra pessoa só não me interrompeu porque estava à espera do momento em que eu voltava ao cerne da questão. Ou talvez já…

  • Opinião

    Solidão na Era Digital: A desconexão é possível

    Se, por um lado, a Internet e as redes sociais permitiram uma aproximação entre as pessoas, por outro lado, também vieram prejudicar a espontaneidade das relações. A verdade é que cada vez mais somos dependentes da tecnologia. Parece que de repente tornou-se estranho conviver com as pessoas sem ser através desses meios tecnológicos. Muitas vezes, as pessoas estão juntas e não conseguem aproveitar o momento, pois estão mais interessadas naquilo que se passa nas redes sociais. O interesse por saber a que se deve a nova notificação parece ter mais peso do que ter uma conversa cara a cara sobre coisas que realmente importam. Estar presente em corpo e ausente…

  • Opinião

    Cor

    Puxa-me!Sou o homem perfeitoQue todos, menos eu, querem que seja.Sou a cor desvanecidaPela água que beija. Não largues!Ténue é a linhaEntre comodidade e loucura.Quando a descobri,Já longe me encontrava da cura. Estás a ceder!Mais transparente do que outrora,Pensei-te perdidaA pintar paredes lá foraDe becos sem saída. Encontrei-te…Quando fui eu a procurar-te,Dei por mim a encarar um espelho que não me refletia.Era esta a cor mais vívidaQue outrora eu não via. Autoria da imagem de destaque: Miguel Melo Artigo revisto por Ana Sofia Cunha

  • Opinião

    Mente: Ação! O Produtor de Hollywood Interior

    Todos nós somos criadores de filmes. Pensamos em cenários de tragédia, comédia, tragédia, terror, tragédia, drama e tragédia. A tragédia parece quase inevitável. Ela faz parte da vida de toda a gente. Na realidade, nem sempre sofremos com tragédias. Mas está cá uma pessoa que tem todo o cuidado e carinho para termos uma experiência destas quase todos os dias, a qualquer momento do dia. Por vezes, vemo-nos a adormecer com a cabeça na lua ou simplesmente quando não temos nada para fazer. É então que o nosso produtor nos chama para criarmos um filme. Estamos sentados a criar filmes. Ou na janela do autocarro, do comboio, a olhar para…

  • Opinião

    Debater sobre a democracia? Preferimos debater em anarquia

    *Artigo redigido para a Edição Especial de janeiro– “Sufrágio Contemporâneo” Foi há 45 anos que se deu a grande estreia dos debates políticos em Portugal. A 6 de novembro de 1975, o confronto entre Mário Soares e Álvaro Cunhal foi emitido pela RTP1 e, durante cerca de quatro horas, falou-se sobre temas como a configuração do sistema político a instaurar em Portugal, o papel dos militares e a liberdade de imprensa. Em 2021, os debates políticos não desapareceram, mas há quem diga que o seu interesse tenha desaparecido. Perante a época atípica em que vivemos, a pré-campanha eleitoral foi cancelada, o que levou a que os debates presidenciais detivessem um…

  • Opinião

    As Lacunas de um Ensino Viciado

    Quantos de nós já nos devemos ter questionado sobre o sistema de ensino que perdura em Portugal e o porquê de a educação clássica estar de pedra e cal implantada no nosso país sem reforma aparente? Educação essa que é limitadora, pouco inclusiva e com pouca abertura para a inovação. A questão pandémica talvez tenha vindo evidenciar as lacunas do sistema de ensino português ao mostrar o quão rudimentar esta ainda se mantém apesar do contexto tecnológico e, consequentemente, de mudanças e a exigência de capacidade de adaptação, evolução e aprendizagem constante em que se insere. Como o Jornal Renascença apontou, o Conselho Nacional de Educação (CNE) reconhece que é…

  • Opinião

    A ilusão do enriquecimento rápido

    O Ministério Público abriu um inquérito, dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, sobre “cursos” de criptomoedas por YouTubers. Estão também em causa vídeos partilhados por influenciadores digitais relativos a apostas desportivas. O objetivo é perceber se há burla. A imprensa tem dado alguma cobertura a esta situação. Mas mais importante agora do que especular sobre se o estilo de vida destes influenciadores digitais é alimentado por burlas (porque ainda só foi aberto um inquérito), é refletir sobre a ilusão do enriquecimento rápido. Este é um problema marcante que vemos desde logo, muito em jovens, o que é verdadeiramente preocupante. É chocante constatar a importância que muitos…

  • Opinião

    Eutanásia: A dignidade da liberdade de escolha em detrimento da ética?

    *Artigo redigido para a Edição Especial de dezembro – “Remédio Santo” Uma palavra quase tabu. Fala-se em eutanásia e arrancam-se cabelos, voam cadeiras pelo ar, vociferam-se insultos – ou nem tanto; mas quase. Se pensarmos bem, o mesmo acontece quando se fala, por exemplo, da legalização do aborto – são temas que tocam na ferida e que poderão ser, por muitos, considerados dogmatismos, ainda que Portugal seja um Estado laico.  A palavra “eutanásia” tem origem no grego “eu”, que significa “boa”, e “tanathos”, que quer dizer “morte” – o que significa, literalmente, “boa morte”. Remete para o ato de tirar a vida a alguém por solicitação, visando acabar com o…