Do rio para o tribunal. Quem meteu água?

Diz-se que os processos nos tribunais portugueses são verdadeiros pesadelos kafkianos. Se assim o é, o caso das Fadas de Cottingley não se lhes fica atrás. A história das duas primas que fotografaram fadas começou em 1917, mas cem anos depois, em 2017, o julgamento continua no teatro A Barraca.

O “Processo: Fadas/Cottingley – 1917” coloca em confronto vários documentos, testemunhos e planos narrativos acerca de “um dos grandes embustes do século XX”, como o carateriza Rita Lello, encenadora e argumentista do espetáculo.

No entanto, o foco principal desta peça infantil, que não é apenas dirigida a crianças, é a discussão que nasce a partir do episódio narrado. O público está integrado no mundo das fadas, contribuindo para definir o rumo da conversa que tem lugar no palco.

A história das primas Elsie Wright e Frances Griffiths, com 16 e dez anos respectivamente, que só queriam brincar no rio, deu a volta ao mundo. Com o objetivo de provar a existência das fadas, as duas primas tiraram uma fotografia, declarada verdadeira por diversos especialistas, onde estes seres mágicos apareciam.

Elsie e Frances chamaram a atenção de várias pessoas. Entre elas, destacam-se o membro da Sociedade Teosófica em Bradford Edward Gardner e o autor de Sherlok Holmes, sir Arthur Conan Doyle, que usou uma fotografia tirada pelas primas para ilustrar um artigo seu na revista The Strand, mostrando ao mundo a primeira fotografia de uma fada.

Incentivadas pelos adultos, que lhes pediam mais fotos, as duas primas alimentaram o episódio, fazendo mais quatro imagens.

“Estas crianças [Elsei e Frances] foram coagidas por adultos a mentir e mantiveram a mentira durante anos. Ainda por cima são instigadas a mentir sobre um mundo – o místico, o das fadas – que os adultos fazem ver às crianças que não existe”, mencionou Rita Lello no final de um ensaio para a imprensa.

As fotografias tiradas nos subúrbios de Bradford percorreram o mundo, deram origem a inúmeros debates sobre a sua veracidade e chegaram mesmo a tribunal.

Rita Lello chega, por momentos, a dar voz à comparação desta história com o milagre de Fátima; revisita também a necessidade de enfatizar algo bom e puro em plena Grande Guerra (1914-1918), mas concentra-se em “testar os limites da invenção, da verdade e da pressão”.

O “Processo: Fadas/Cottingley – 1917” está em cena no Teatro A Barraca ao sábado às 16h e ao domingo às 11h até ao dia 30 de abril.

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *