Moda e Lifestyle

E a vida sexual como vai?

Ser mulher… Ser mulher, infelizmente, ainda significa carregar o peso da culpa do desejo sexual. Quem disser que “em 2020 isso não acontece” é porque não o sente na pele, o que não o invalida nem significa que não aconteça. Pelo facto de uma história não ser comigo, não deixa de me dizer respeito, pois enquanto uma mulher ainda se sentir presa, estaremos todas presas.

Aliás, uma grande parte das mulheres que conheci até hoje admitiu que, em algum ponto da sua vida, viu a sua vontade sexual ser reprimida, sentindo-se “sujas”, como se não pudessem sentir algo específico do momento, ainda por cima sendo algo tão natural.

Vamos lá falar abertamente sobre este assunto sem tabus e, para isso, espero que tenhas deixado o teu preconceito no click antes de abrir este artigo.

Fonte: Instagram da página Feminist (@feminist)

A mulher e o seu medo: de falar que fazemos, de falar que não o fazemos, pois poderão pensar que somos porcas ou talvez até ‘santinhas’ demais, como se isso significasse que não me respeito ou então que vivo no século passado. Quando se trata de uma escolha, não há certo ou errado. Todas nós temos perceções distintas de como devemos viver as nossas vidas. A escolha de optar por fazer algo é isso mesmo, uma escolha, que por vezes pode ter consequências, mas afinal… Não é disso que se trata a vida? De aprender? Cada uma com a sua jornada, tudo fará sentido mais tarde.

Um dos maiores problemas que encontro sempre que falo com outra mulher sobre este assunto é a falta de conhecimento que a própria tem do seu corpo. Reafirmo: a masturbação é também uma escolha cuja recusa de experimentar não deve ser julgada. Não falo apenas de exploração do próprio corpo, mas de um conhecimento que advém da conexão que estabelecemos com ele: saber os desejos, os limites, saber ouvir o que o corpo quer, como proporcionar o prazer e, em termos mais técnicos, saber e conhecer a sua vagina. Estes pontos são cruciais para a estabilidade de uma vida sexualmente saudável, pois a única maneira de uma mulher atingir o prazer máximo é ao se conhecer – seja sozinha, com um parceiro, agora ou um dia mais tarde. E porque é que é importante ter prazer? Contribui para a tua saúde mental e física, limita o teu stress, ganhas autoconfiança e sentes-te mais leve e em paz com o mundo. Por outras palavras, sentes-te mais feliz.

A sexualidade é um dos tópicos mais importantes para a emancipação feminina, para que se deixe de ver o sexo somente como uma forma de reprodução. Sexo deve ser desfrutado por ambas as partes que o fazem.

Sendo completamente honesta com os meus leitores, ao início é uma bicho de sete cabeças, não concordam? É tão difícil expressar o que sentimos, perceber o que o corpo pede e a pressão de aprender como tudo funciona, mesmo com alguém com quem tenhamos estabelecido uma intimidade intensa e uma relação estável. Mas sabem que mais? Torna-se bem mais leve, o seu objetivo, quando paramos de nos pressionar com a ideologia do corpo perfeito e da performance ideal para dar prazer ao outro. Deixem-se disso. Pensa assim: mas e tu? Onde está o teu prazer quando a tua mente está ocupada com mil e uma coisas com as quais tens de ter cuidado e que tens de fazer bem?

Liberta-te, se assim o entenderes. Recolhe-te, se achares melhor. Jamais faças algo que não tens vontade por sentires obrigação de dar prazer a outra pessoa. Jamais deixes alguém entrar no teu corpo por carência de amor. Nunca te permitas sentir a pressão de ser ‘boa na cama’ para ficar com alguém, mas também não escolhas não o fazer só pelo que os outros vão falar… Até porque alguém vai sempre falar, independentemente do que faças. As pessoas julgam tudo e mais alguma coisa. Porquê? Quem sabe, este mundo consegue ser assustador pela má energia que paira no ar. Mas cabe a ti controlar a tua vida, em vez de deixar opiniões alheias o fazerem – põe um ponto final à tua opressão. Pensa na sorte que tens de viver em Portugal e realmente poder ter a escolha de fazeres o que quiseres com quem quiseres – desde que não afete os outros, claro.

Vamos lá ser sinceros aqui: não há muito que diferencie o desejo da mulher do  do homem. A diferença está na cabeça das pessoas, enraizada no seu preconceito. Até porque, na verdade, há mulheres que têm mais vontade (muito mais) do que o seu parceiro ou qualquer outra pessoa. Essa diferença que a sociedade criou é a ideia de que a mulher tem de ser calma, gentil, delicada e graciosa, como se nós não sentíssemos nada do que acontece nos nossos corpos. Mas sentimos e, muitas vezes, não vamos em frente com o que pretendemos por medo dos outros e não tanto por pensarmos nas consequências.

A verdade é que nos é incutido que temos de ter um limite de parceiros e se for um namorado para o resto da vida, melhor. No entanto, isso não é algo que se controle. Trata-se de deixar o destino nos guiar pelo melhor caminho e tudo o que podemos fazer é deixar as coisas fluírem sem pressão. Essa pressa toda para casares e teres filhos? Relaxa. É deixar acontecer da maneira mais natural que existe, porque só assim vamos viver plenas e em paz com o universo, sabendo que há coisas que não podemos controlar. E quando esse grande amor da tua vida tiver de aparecer, acredita que será mil vezes mais fácil se fores confiante em ti mesma.

Não estou a falar para não controlar o desejo, porque acho que no fundo todos nós entendemos que há situações e situações. Não vamos interferir ou magoar outra pessoa para satisfazer um impulso instantâneo. Mas o que mais me magoa neste assunto todo é perceber que as mulheres têm até medo de falar com outras mulheres sobre este ponto. Não será isto absurdo? Já não basta passarmos pela tentativa social de reprimir o nosso lado sexual, ainda temos dificuldade de partilhar essas mágoas e histórias com as pessoas que, em teoria, iriam entender. Não obstante, nem sempre as outras mulheres entendem e isso está relacionado com o facto de se terem deixado corroer pela sociedade – muitas vezes encontramos mentes machistas em corpos femininos.

O preconceito perante a sexualidade de uma mulher pode ter impactos desde a maneira como encara relações até à falta de capacidade de ter prazer. A tentativa de ter prazer quando não estamos relaxadas é uma tentativa com cem por cento de garantia de falha, principalmente a de atingir o orgasmo (pensar em maneiras de o atingir faz com que não se atinja). E sim, ter prazer não implica atingir sempre o orgasmo. Para além disso, a falta de confiança por parte da mulher vai afetar a relação com outra pessoa que pode até pensar que o problema é seu, por ela não se sentir confortável ao mostrar o corpo ou por não conseguir ter prazer. Entretanto, criamos inseguranças em alguém sem explicar o porquê, logo é importante perceber que a comunicação é fundamental em qualquer relação.

Relações sexuais estáveis

Se pensarmos bem, quando estamos com outra pessoa num ato sexual, não podemos deduzir que a pessoa sabe como nos dar aquilo que queremos, se nós nem sabemos o que isso é – supondo que a pessoa não adivinha -, até porque não é dever da outra pessoa o de descobrir por ti. A comunicação é importante para atingir o prazer…Porque, afinal, de que vale fazer algo sem o querer?

A conexão acontece no sexo e quem diz que não é porque nunca se permitiu envolver dessa forma. Não digo que não possa haver encontros casuais (sem esses ‘mimimis’ de conexão) – pode sim e são saudáveis -, mas quando ambos estão de acordo em manter uma relação puramente física… E, mesmo assim, a verdade é que sexo é e tem poder, sendo um ato que une duas pessoas, mesmo somente por uma noite.

Mas pelas histórias que fui ouvindo, sei que muita gente opta por se manter assim – no que diz respeito a relações casuais -, até se sentir preparada para se conectar verdadeiramente com outra pessoa. Acho que é uma atitude compreensível, pois cada um tem a sua jornada e talvez seja melhor assim do que se colocar de ‘cabeça quente’ numa relação com alguém que, provavelmente, não seria mais do que uma paixão. Mas não se esqueçam de se protegerem sempre! Não importa a pessoa nem a circunstância, devem salvaguardar-se e evitar eventuais problemas que podiam ter sido prevenidos.

Mas isto leva-me a uma questão interessante: O que é paixão e o que é amor? Amor não existe sem paixão, mas paixão existe sem amor. Não confundam sentimentos que vos podem levar a crer que é uma coisa enquanto não é. Eu sei que estou aqui a ‘falar’, mas entendo perfeitamente que não é algo fácil, pois rapidamente podem ser confundidos. No entanto, lembrem-se sempre: quem vos ama irá sempre contribuir positivamente para a vossa vida, autoestima e bem-estar. Mas jamais se esqueçam que, enquanto pessoas, vocês já são completas. A outra pessoa só vem para partilhar uma incrível vida convosco, mas cada um tem a sua jornada. Não obstante, amor tem de ter paixão, porque, ao contrário do que as pessoas possam argumentar, desejo é importante numa relação – pelo menos na maioria em que as pessoas são sexualmente estimuladas –, pois o toque é uma forma de declaração de amor e o sexo é uma forma de duas almas se tocarem da forma mais profunda que há.

Amor-próprio

Sexualidade e amor-próprio são tópicos que estão intimamente ligados. Ao avaliar a vida sexual de uma pessoa, podemos descobrir o amor próprio e a ligação que possui consigo mesma, não o número que nada diz, mas a forma como se sente e vivencia a sua vida. Amor próprio é não ter medo, é ir atrás do que se deseja e, estando com outra pessoa, é não ter vergonha de o admitir. Estar em paz com o seu corpo, com aquelas gordurinhas de lado, com aquele pelo ali na axila ou até com aquela cicatriz no peito. É não necessitar de se encaixar no perfil de ‘mulher perfeita’. É carregar uma confiança tão forte que quando o faz, sabemos mesmo que o queria fazer e fê-lo com prazer.

Prazer é uma palavra que perturba, sabe-se lá porquê. Como podemos compreender a repressão que as pessoas colocam nessa palavra que simboliza algo tão lindo e humano? A mulher cheia de fogo que faz o que deseja – claro que também nos limites da outra pessoa, não sejamos egoístas -, e que vai atrás do que procura? Essa mulher passou por um longo processo. É impossível nascermos e permanecermos confiantes ao longo da nossa vida. Não, isso não acontece. Com a sociedade toda nas costas de uma menina que está a crescer e que com dez anos já tem medo de não vir a ter maminhas grandes como as da colega, esse processo chama-se amadurecer, seja intelectualmente, seja espiritualmente. O problema também não é algo constante, tem os seus picos, mas é ganhar força e pensar: “Esperem, porque deixei que isto me afetasse?”. Levantar a cabeça e reafirmar: “Eu sou uma mulher, sou forte e nada me irá derrubar”.  É importante entender que momentos maus acontecem e que não nos definem. É uma história, uma parte da minha História, mas não sou eu.

Fonte: Instagram da página Feminist (@feminist)

Masturbação

Trazendo um pouco da minha perspetiva, não nego que considero crucial o exercício de autoconhecimento. No entanto, sei que, por vezes, seja por questões pessoais ou até religiosas, há mulheres que não se sentem confortáveis em fazê-lo e com todo o seu direito, poder e dignidade. Mas devido ao que fui vivenciando, percebi que há algo extremamente poderoso em nos conectarmos com o nosso corpo.

Vamos supor aqui uma situação: toda a gente conhece alguém que tem uma vida sexualmente ativa, mas não saudável, pois coloca o seu prazer nas mãos de outras pessoas temporárias ou até numa pessoa supostamente ‘permanente’. E vocês perguntam: mas porque é que isso não é saudável? Porque é como colocar a nossa estabilidade emocional nas mãos de outra pessoa, sabendo que, a qualquer momento, se as coisas não resultarem mais, vamos sentir-nos destroçados e perdidos, em busca de outra forma de obter o que a pessoa nos dava. Isto é um perigo, pois temos de saber como podemos ser nós mesmas sem necessitar de terceiros. A verdade é que as coisas podem acabar, momentos vão e vêm, e é importante não deixar que isso nos afete de uma forma tão profunda.

É uma prática saudável, mas lembrar de que tudo em excesso também é prejudicial – não deixes que isso afete a tua vida e a tua relação com outras pessoas.

Sabias que a masturbação faz coisas incríveis com o que teu corpo? Fortalece o sistema imunológico; alivia as dores menstruais; previne o surgimento de infeções, a incontinência urinária e a endometriose; melhora a líbido, o bem-estar, o humor e o sono e, ainda, o desempenho sexual. Para além disso, melhora a relações entre um casal e consigo mesma/o, até porque trata problemas sexuais como a dispareunia e o vaginismo, que podem ter causas físicas e emocionais – é uma forma de terapia.

Relatos da mulher e a sua visão perante a sexualidade

Não estou aqui a falar isto tudo como se fosse fácil, porque sei que não o é e eu também tive o meu próprio caminho perante o meu corpo (ainda estou nesse caminho, ainda no início). Não é um processo fácil e muito menos rápido, mas isso é a melhor parte dessa jornada. Só damos valor às coisas quando estas não nos são imediatamente garantidas, por isso, às vezes, mais vale esperar por algo melhor do que tentar apressar algo que não pode ser apressado e, claro, entretanto aproveitar.

Mas espera aí… Falei aqui tanto sobre a importância de não nos esquecermos de dar voz às mulheres cuja escolha consiste em esperar e, assim, aqui vai o testemunho da Bruna Ferreira, de 20 anos, que nos conta o que pensa sobre sexualidade e como isso tem impacto na sua vida:

Fonte: Bruna Ferreira

Antigamente, não ser virgem era um escândalo, mas hoje os papéis inverteram-se. Hoje, ter vinte anos e ser virgem é um escândalo. Se decidiste esperar pelo casamento, então vira uma tragédia autêntica. Não, eu não tenho um problema com a minha líbido. Sim, eu tive muitas oportunidades, mas ainda assim eu disse “não”. Não há nada de errado comigo (diferente do que a maioria pensa) e também não sou uma fanática, mesmo um dos motivos pelo qual tomei essa decisão ter sido a minha religião. Eu quero construir uma relação sólida e ter algo além do físico. Simplesmente não me sinto atraída por loucuras de uma noite, mas respeito quem o faça. Sexo, independentemente do momento em que decidimos fazê-lo, deve ser feito porque queremos, porque gostamos e porque nos sentimos à vontade para o fazer. Mas, se sou virgem, porque falo de sexo de forma tão natural? – «Aposto que já fez algo antes e agora quer dar uma de santinha!» -, infelizmente, esse tipo de comentário é bastante comum assim que eu falo de sexo como sendo algo normal (que dê facto é), e depois a pessoa descobre que sou virgem. Mas não é porque uma pessoa é virgem que ela é inculta, que ela não sabe o que é sexo e não se sente excitada. Claro que, sendo virgem, não sei qual é a sensação de fazer sexo e isso até é uma vantagem para quem decide esperar pelo casamento. Como podemos sentir falta de algo que nunca tivemos? De facto, a sociedade não esteve e não está preparada para lidar com pessoas que pensam e agem de forma diferente.

Fonte: Patrícia Paiva

Por outro lado, temos Patrícia Paiva, de 19 anos, que nos conta a sua jornada sexual:“Foi por volta dos 15 anos que eu comecei a conhecer e a explorar o meu corpo de forma mais adulta. Iniciei um processo que para mim é fulcral no que toca à sexualidade que é a aceitação corporal – olhando-me ao espelho, ao analisar os meus traços e amando-os. Mais tarde, aos 17 anos, perdi a virgindade com um amigo de confiança. No entanto, considero que não foram as melhores experiências e que poderia ter explorado melhor – cometi o que podemos chamar “erro por carência”. Atualmente, a minha vida sexual melhorou bastante com alguém fixo, pelo qual nutro sentimentos muito fortes, que alinha comigo no conhecimento da nossa sexualidade a dois, que desfrutamos sem tabus, em ordem a atingirmos ambos o prazer sexual.”

Espero que este artigo vos tenha sido útil de alguma forma e que vos tenha aberto a mente, de forma a aceitarem mais as escolhas das pessoas e a entenderem a importância de cada uma ter o seu caminho – livres e soltas, sem tabus!

Artigo revisto por Maria Ponce Madeira

Fonte da foto de capa:katiealexanderblogs.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *