Janelas “Assassinas”

Atualmente têm chegado notícias, principalmente, de Portugal, de crianças a morrerem ao caírem de diferentes andares dos prédios. Eu, por exemplo, assisti a uma tragédia há uns anos atrás, quando uma criança se mascarou de homem-aranha e quis experimentar “voar” pela janela – é óbvio que estava sozinho em casa (o pai tinha ido a uma padaria e deixou-o sozinho) e o final nem é preciso revelar.

Infelizmente não só aconteceu apenas neste dia; por exemplo, em Lisboa, mais propriamente no dia 19 de fevereiro de 2016, uma criança atirou-se do 21º. de um prédio localizado no Parque das Nações (estava sozinha em casa, o que é quase uma moda em Portugal) – ou seja, começa a ser absurda a falta de consciência por parte das pessoas e um homicídio por “desleixo” poderia ser evitado. Já houve empresas e associações a tentarem dar a volta a esta situação, implementado uma maior segurança nas janelas e nos próprios edifícios através de produtos inovadores.

Contudo, penso que o principal problema prende-se com o facto de os pais destas crianças não estarem atentos o suficiente para evitar este tipo de problemas. Não digo que tenham de ser super protetores mas minimamente inteligentes para saberem que as crianças são os seres mais curiosos à face da terra e não podemos subestimar este seu poder de imaginar o imaginável e confrontarem a impossibilidade, roçando a ingenuidade, de não saberem os riscos ou consequências que daí advém.
Não pretendo criticar as pessoas, sei que às vezes não é fácil ter um perfeito papel de pai e mãe, sei que às vezes o cansaço impossibilita de nos transformarmos em super-pais. Contudo, há pais que já salvaram os filhos de situações incríveis apenas porque tiveram um olhar atento e, consequentemente, uma ação rápida para evitarem o pior.

Se eles conseguiram e, com certeza, também trabalham, é certo que muitos mais o conseguirão fazer se tiverem certas precauções. Tal como já referi várias vezes noutros artigos, nós vivemos numa sociedade do “deixa andar” e só sabemos pensar nas coisas e solucioná-las quando acontece algo trágico.

Qual é a razão para nos seguirmos pelo “novo provérbio” “remedeia antes de prevenires” e não pelo “mais vale prevenir do que remediar”? A verdade é que a janela pode ser um chamariz para as crianças e nós não percebemos isso; talvez um dia possamos vir a ter a prevenção necessária, quem sabe.

pedro-almeida_janelas-assassinas_opiniao

O Pedro Almeida escreve ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico.

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *