Made In ESCS, Mundo Académico

O 27.º aniversário da escstunis – uma “Última Atuação” inesquecível

Não havia melhor maneira de festejar o aniversário de 27 anos da Tuna da ESCS como foi com A Última Atuação – um concerto vibrante e cheio de emoção.

A escstunis já viu passar muitos talentos e está recheada de primeiras e últimas vezes a atuar. Desta vez, escolheu-se fazer uma homenagem àqueles que não vão continuar a animar o público. Após tantas atuações, este concerto foi uma despedida para alguns tunantes.

Uma imagem com noite

Descrição gerada automaticamente
Fotografia por Ana Cristina Barros

Ao começar o espetáculo, a tuna foi cumprimentada entusiasticamente. As palmas de força foram ouvidas em cada canto do Auditório Vítor Macieira. Fomos presenteados com muito mais do que um simples concerto: uma atuação consistente, que combinou música, teatro e os típicos números com bandeiras e pandeiretas.

Uma imagem com pessoa, homem, macho

Descrição gerada automaticamente
Fotografia por Ana Cristina Barros

Durante a primeira parte do espetáculo, fomos apresentados a uma rapariga cuja atuação era a última. Com dificuldades em escrever um e-mail de despedida, é visitada por vários fantasmas, como n’O Conto de Natal. Rimo-nos muito ao ver o seu passado, presente e futuro. Ficámos a conhecer também outros fantasmas, como o da “festa” e o do “grupo de bandolins”, que relembraram à nossa protagonista o quão bem os anos na tuna lhe tinham feito.

Uma imagem com texto, interior, escuro

Descrição gerada automaticamente
Uma imagem com pessoa, em pé, escuro

Descrição gerada automaticamente
Uma imagem com texto, palco

Descrição gerada automaticamente
Uma imagem com pessoa, interior

Descrição gerada automaticamente
Fotografias por Ana Cristina Barros

Durante o concerto, ouvimos testemunhos emocionantes de primeiras e últimas atuações. Um novo membro afirmou que era “muito bom ver a alegria das pessoas e pensar que é a primeira (atuação) de muitas”. Já as pessoas prestes a partir disseram estar a sentir um tsunami de emoções e que, apesar de a escstunis não ser um mar de rosas, foi um lugar para espairecer e onde se viveram momentos maravilhosos, acompanhados de muito suor e lágrimas.

Foi também dado um conselho aos mais novos: “Não dar os aplausos como garantidos”, para se continuarem a esforçar e a dar sempre o seu melhor. 

Uma imagem com pessoa, interior, grupo, pessoas

Descrição gerada automaticamente
Momento em que um dos membros revela que é a sua última atuação
Fotografia por Ana Cristina Barros

Esta atuação com um nome enganador contou com muitos originais, tais como 1755, Teu Sorriso, Sonhando e Imperial, mas também com adaptações, como Vocês Sabem Lá. O público, sempre animado, cantou, dançou e chorou. A emoção estava no ar e ninguém ficou indiferente a este concerto tão especial.

O ambiente ficou marcado por muitas despedidas, lágrimas, orgulho e nostalgia. Após um agradecimento aos familiares por “compreenderem, ou serem obrigados a compreender,” as horas que os membros dispensam para a tuna, houve uma breve reflexão sobre como estava a ser voltar aos palcos desde a pandemia: “Não se vêm os sorrisos, mas imagina-se que lá estão”.

Num último momento, foram chamadas ao palco pessoas que já tinham tido a sua última atuação, algumas recentemente, mas outras já há muito tempo. O palco preencheu-se de tunantes das mais variadas gerações. Com saudades, e a relembrar os velhos tempos, o concerto foi encerrado ao ritmo de Olh’á escstunis.

Uma imagem com texto, pessoa, multidão, venda

Descrição gerada automaticamente
No final juntaram-se, tunantes e ex-tunantes, de todas as gerações juntaram-se para eternizar este momento
Fotografia por Ana Cristina Barros 

Na afterparty, a ESCS Magazine teve o prazer de falar com uma ex-tunante e com um novo membro.

Às duas foi feita a mesma pergunta: “O que é a escstunis para ti?”

Para a ex-tunante, a escstunis é “casa”: “Recebeu-me em 2011 e chegou a hora de a ver deste lado”, afirma.

Já o novo membro, revelou que “é difícil especificar, mas (é) crescimento, acima de tudo”. “Aprendes a comunicar, ganhar genica, comunicar com os outros e é um sítio perfeito para trabalhar a empatia. Significa amigos, festas, música, abraços, tudo”, acrescenta entusiasmada.

Perguntámos à ex-tunante qual era a sua melhor memória na escstunis, ao que nos respondeu que foi quando, como coordenadora de uma comissão artística, viu pela primeira vez um espetáculo que foi totalmente mudado à última hora e que ninguém pensava que fosse acontecer da maneira que aconteceu. “Foi incrível ver uma coisa em que trabalharam tanto e que até quase ao último dia não acreditavam que fosse acontecer assim”, revela.

Quando à Última Atuação, a ex-tunante não coloca de parte regressar à Tuna porque “todas as atuações são uma boa última atuação, nunca sabemos o dia de amanhã”. “A minha última atuação teria sido há dois anos atrás; e voltar quando muitos de nós já fizeram a sua vida torna esta atuação muito emotiva, pois significa retomar muitas coisas”, confessa.

Para a nova tunante, esta primeira atuação foi ocupada por nervos, mas também por uma grande felicidade: “Foi muito bom, estava muito nervosa, mas olhar para as pessoas todas que lá estavam confortou, e o público foi incrível. Estive muito tempo do lado de lá e sempre quis entrar para a tuna, por isso estou muito feliz.”

Assim, com 27 anos de vida, a escstunis continua a surpreender o público e, sobretudo, a ver novas caras entrar e outras a despedirem-se, sem nunca esquecer cada momento vivido. A emoção é sempre muita e a tuna será sempre uma segunda casa para os seus tunantes e um orgulho para Escola Superior de Comunicação Social.

Artigo revisto por Ana Sofia Cunha

AUTORIA

+ artigos

Com 19 anos de vida, Ana alia a sua paixão por animais, fotografia e música ao mundo da comunicação. Sempre gostou de contar histórias, de escrever, de ler e ainda arranjava espaço para falar pelos cotovelos. Criativa, determinada e sempre disposta a ajudar o outro, a Ana vê no jornalismo o privilégio de poder conectar o mundo e as pessoas.

+ artigos

Sempre foi apaixonada pela escrita e pela leitura, o que a levou a escolher o curso de jornalismo. A saúde mental faz parte do seu dia a dia e usa as suas redes sociais para consciencializar os outros sobre esse tema. Gosta particularmente de chocolate preto, dias de chuva e da Natureza.