O início periclitante de Marco

O percurso de Marco Silva no Everton tem sido muito acidentado e este início de época periclitante está a abalar a confiança que seria desejável existir em torno do seu trabalho ao leme da equipa.

Depois de na Premier League já ter orientado o Hull City e o Watford, tendo colocado essas equipas a jogar a um bom nível, a chegada do técnico aos Toffees na época transata foi encarada com algum entusiasmo pelos apoiantes do clube. Contudo, a equipa falhou o objetivo de se apurar para as competições europeias. O oitavo lugar, a três pontos do sétimo classificado, o Wolverhampton, não configurou uma campanha desastrosa. Ainda assim, depois de um investimento de 99,80 M€, as expectativas eram – justificadamente – elevadas. 

Esta época o Everton voltou a investir fortemente no reforço do plantel. Do investimento de 119,90 M€, destaque para as contratações de Alex Iwobi, extremo vindo do Arsenal, e de Moise Kean, avançado que foi a grande revelação da Juventus em 2018-2019.

Contratado ao Arsenal por 30,40 milhões de euros, Alex Iwobi foi o reforço mais caro do Everton para esta temporada. Fonte: BBC

A verdade é que antes do começo desta temporada as casas de apostas em Inglaterra não auguravam grande futuro a Marco Silva no comando dos Toffees, indício claro da fraca popularidade do treinador. No início de outubro, os maus resultados na Premier League deixaram o português em maus lençóis. A imprensa inglesa avançou que Marco tinha o lugar em risco e que David Moyes poderia ser o seu substituto e regressar assim a uma casa onde já foi feliz. O dono do clube manteve a confiança em Marco Silva, mas avisou-o de que urgia melhorar tanto os resultados como as exibições.

Marco aparenta estar inconsolável no seguimento da derrota com o Burnley a 5 de outubro, na altura a quarta consecutiva na Premier League. Fonte: The Telegraph

A qualidade do futebol praticado pelo Everton tem sido extremamente irregular. Curiosamente, a equipa tem-se exibido melhor nos jogos fora de casa. O próprio treinador já assumiu que a equipa parece ter duas faces e que é mais inconstante nos jogos em casa. Com jogadores de grande categoria como Richarlison, André Gomes, Walcott ou Digne, exige-se um futebol muito mais entusiasmante.

Veja-se a campanha do Leicester City nesta edição da Premier League. Com um plantel ao nível do plantel do Everton, o Leicester City está no terceiro lugar e está a praticar um futebol com elevadíssima nota artística. Depois de um início de campeonato a meio gás, o Wolverhampton retomou as boas prestações da época anterior e está novamente bem lançado na corrida às competições europeias. Tanto o Leicester City como o Wolverhampton já mostraram que são capazes de fazer escorregar os candidatos ao título, enquanto que no caso do Everton não se vê pujança para tal.

Um outro aspeto sempre relevante é o da empatia entre adeptos e treinador. A empatia entre os adeptos do Wolverhampton e Nuno Espírito Santo é evidente. Em sentido inverso, não há grande empatia entre a massa adepta dos Toffees e Marco Silva.

As prioridades do treinador do Everton devem ser conquistar o púbico e conseguir maior regularidade quer a nível de resultados quer a nível de exibições. 

Artigo corrigido por Carolina Cacito

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *