7ª Arte

O Renascer de Casey Affleck

Caleb Casey McGuire Affleck-Boldt nasceu a 12 de agosto de 1975 em Falmouth, no Massachusetts. Irmão mais novo de Ben Affleck, era, até há cerca de uns meses, um ainda desconhecido do mundo da Sétima Arte.

Mergulhado num mar de papéis secundários, Casey consegue emergir à superfície do protagonismo em Manchester by the Sea, onde, pela sua performance como Lee Chandler, foi distinguido com um Globo de Ouro, um BAFTA e um Óscar de Melhor Ator. Estes prémios foram os principais catalisadores do seu merecido reconhecimento internacional.

Desde muito cedo que os irmãos Affleck foram influenciados pelas artes performativas. Enquanto adolescentes, a sua mãe levava-os frequentemente ao teatro em Cambridge (do Massachusetts) e incentivava-os a realizar filmes caseiros. Casey também começou a participar como figurante em alguns filmes e deu os primeiros passos na representação em várias peças de teatro da sua escola secundária. A paixão começava a crescer e o talento a surgir.

 

Depois de ter feito parte do elenco, ainda enquanto adolescente, de duas séries televisivas, a sua carreira propriamente dita inicia-se a meio dos anos 90 com o filme To Die For, realizado por Gus van Sant, num papel secundário. Ainda a tirar a sua licenciatura (que nunca chegou a terminar), participou no muito aclamado Good Will Hunting, escrito pelo seu irmão e pelo amigo de infância Matt Damon e realizado pelo mesmo van Sant. Ainda que tenha tido pouco tempo de antena, Casey Affleck improvisou a maioria das suas deixas e foi bastante elogiado pelos seus colegas.

Ainda assim, Affleck enfrentou uma travessia pelo deserto nos anos seguintes. Desistindo da faculdade para se dedicar inteiramente à carreira de ator, os primeiros tempos foram longe de serem brilhantes. Participando em filmes de muito pouco sucesso, quer em termos de crítica, quer em termos comerciais, as escolhas para a sua carreira estavam longe de ser as melhores. A exceção terá sido, talvez, um pequeno papel na trilogia Ocean’s, de Steven Soderbergh. Pelo meio, teve outras tantas despercebidas atuações em American Pie e uma estreia pouco conseguida como protagonista em Lonesome Jim, de Steve Buscemi.

Contudo, o rumo na carreira de Casey encontra bom porto a partir de 2007. Nesse ano, é escolhido por Ben Affleck para contracenar com Michelle Monaghan, Ed Harris e Morgan Freeman no filme Gone Baby Gone, realizado pelo irmão. A sua performance é bastante aplaudida e começa a provar que é talentoso o suficiente para merecer mais que uns breves minutos no ecrã de que poucos se lembrariam.

O melhor ainda estaria para vir no virar do ano, quando o seu nome surge entre os candidatos ao Óscar de Melhor Ator Secundário. O seu desempenho em The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, onde protagonizou o papel do referido cobarde, não passa em claro e é altamente elogiado pela crítica. Acabaria por perder o prémio para Javier Bardem, mas 2007 parecia indicar o caminho para o pináculo da sua carreira. Mas tal não se confirmou.

A verdade é que Affleck volta a enfrentar um revés no seu percurso, muito por culpa própria. Durante as gravações de I’m Still Here, em 2010, que produziu com Joaquin Phoenix, é acusado de assédio sexual a duas colegas, enquanto se depara com problemas de alcoolismo e financeiros. Para piorar a situação, o filme revelou-se um autêntico flop e os fantasmas do passado regressavam para assombrar o mais novo dos irmãos Affleck.

 

Temos que esperar até 2013 para ver Casey retornar ao ativo a tempo inteiro, depois de alguns anos longe das câmaras para endireitar a sua vida. Abraça papéis de relevo em Ain’t Them Bodies Saints, onde contracena com Rooney Mara, e em Out of the Furnace, juntamente com Christian Bale. O seu ressurgimento passou por uma fase de timidez até ao ano transato, onde esteve na ribalta com participações em Triple 9, The Finest Hours e Manchester by the Sea, este último a confirmar o regresso do melhor Casey. Dispensa quaisquer comentários.

O futuro pode continuar risonho para Casey Affleck. É um ator extremamente talentoso com capacidade de desempenhar qualquer tipo de papel. O seu próximo filme, A Ghost Story, tem estreia prevista para julho e está, de momento, a ultimar detalhes do argumento de Light of My Life, filme que irá realizar e protagonizar. Os prémios que recentemente recebeu podem servir de motivação para se manter estável, longe de dilemas e polémicas e concentrado na sua carreira. Ainda tem muito para dar à Sétima Arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *