Resumo do ano de CR7

O ano de 2019 de CR7 ficou marcado pela conquista da Liga das Nações com a seleção e pelo sucesso interno com a Juventus. 

Com a equipa de Turim, Cristiano venceu a liga na sua época de estreia. A Juventus conquistou o título pela oitava época consecutiva. Ronaldo fez balançar as redes adversárias por 21 vezes. Foi o melhor marcador dos campeões italianos e o quarto melhor da prova.

Depois de já ter sido campeão em Inglaterra, pelo Manchester United, e em Espanha, pelo Real Madrid, o internacional português sagrou-se agora campeão numa outra grande liga europeia. Fonte: RTP

Com a hegemonia interna consolidada, os bianconeri procuravam ter sucesso também nas provas europeias. A equipa acabaria, contudo, por cair da Liga dos Campeões nos quartos de final, aos pés do Ajax, que chegou às meias finais.

A desilusão de CR7 após a eliminação europeia. Fonte: Record

No final da temporada, chegou ao fim o ciclo de Allegri na Juventus. O presidente do clube, Andrea Agnelli, disse que pensou manter Allegri mesmo depois da eliminação da Liga dos Campeões, mas que acabou por decidir despedir o treinador, na certeza de que “ninguém é indispensável”. 

Para ocupar o lugar deixado vago por Allegri, chegou Sarri, vindo do Chelsea. No Chelsea, Sarri tinha acabado de conquistar a Liga Europa. Antes disso, colocara o Napoli a discutir os títulos taco a taco com a crónica campeã Juventus. “Durante três anos, eu acordava e pensava em como derrotar a Juventus, porque era uma equipa ganhadora. Dei 110 por cento, mas continuava sem conseguir. Foi uma experiência e agora darei tudo por este clube”, atirou o técnico na sua apresentação no clube de Turim. 

Uma das questões que têm marcado esta época na Juventus tem sido a tensão entre Cristiano e Sarri. Cassano, antigo avançado italiano, pronunciou-se no início de dezembro sobre a situação. “Acho que Ronaldo tem um grande problema com Sarri”, apontou Cassano. “Tudo começou com as duas substituições em jogos consecutivos – isso irrita qualquer jogador. Na minha opinião, há um problema, e a Juventus faz bem em manter uma posição discreta em relação ao caso”, explicou o antigo avançado. 

Sarri garantiu, no final de novembro, que a relação com Cristiano “é boa”. “Se ele fica chateado quando o substituo, é sinal de que tem uma motivação forte”, concluiu o técnico italiano. 

Quando Sarri começou a trabalhar na Juventus, imaginou que CR7 poderia ser a referência no centro do ataque. Inclusivamente conversou com o internacional português durante o período de férias do craque para lhe falar destes planos. A verdade é que os mesmos não se concretizaram. Ronaldo continua a atuar na ala esquerda. Quando joga no centro do ataque, é sempre em conjunto com outro avançado, numa dupla mais móvel. Sarri raramente abdica de Higuaín, a referência no centro do ataque. 

Antes do Mundial 2018, o selecionador português, Fernando Santos, referiu-se da seguinte forma ao papel que tinha reservado para Cristiano Ronaldo: “Nunca vai ser ponta de lança. Não pode estar parado e de costas para a baliza à espera de que a bola chegue. Isso era matar o Cristiano”. 

Esta temporada, na liga, Inter e Juventus estão em igualdade pontual no cimo da tabela, com uma vantagem de seis pontos sobre o terceiro classificado, a Lazio, que ainda assim tem um jogo a menos. Cristiano Ronaldo leva dez golos marcados. É o melhor marcador da Juventus e o quarto melhor do campeonato. 

Na Liga dos Campeões, os bianconeri apuraram-se para os oitavos de final. Terminaram a fase de grupos no primeiro lugar de um grupo que contava com Atlético de Madrid, Leverkusen e Lokomotiv. CR7 apontou dois golos nesta fase. Nos oitavos de final, a Juventus terá pela frente o Lyon.

A Lazio provocou um dissabor no final do ano civil a Ronaldo e aos seus companheiros, derrotando a Juventus na supertaça, a 22 de dezembro, por 3-1. Cristiano Ronaldo jogou os 90 minutos. 

Na seleção, o apuramento para o Euro 2020 começou com dois empates em casa, em março, perante Ucrânia e Sérvia. Em junho, CR7 foi decisivo nas meias finais da Liga das Nações, ao apontar um hat-trick frente à Suíça. Portugal venceu a final contra a Holanda, por 1-0.

Cristiano Ronaldo ergueu, no Estádio do Dragão, o troféu da primeira edição da Liga das Nações. Fonte: RTP

No apuramento para o Euro 2020, Portugal somou depois cinco vitórias no resto da fase de grupos. Perdeu unicamente na deslocação à Ucrânia. O apuramento só foi carimbado com a vitória na última jornada no Luxemburgo por duas bolas a zero. Ao longo desta fase, CR7 marcou 11 golos. Só o inglês Harry Kane o superou, com mais um golo. 

A seleção ficou a conhecer a constituição do seu grupo no Euro 2020. Está no chamado grupo da morte, com França e Alemanha, mais o vencedor do playoff a ser disputado entre Islândia, Bulgária, Hungria e Roménia. 

Artigo revisto por Catarina Cravinho Gramaço

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *