Resumo do ano de CR7

O ano de 2019 de CR7 ficou marcado pela conquista da Liga das Nações com a seleção e pelo sucesso interno com a Juventus. 

Com a equipa de Turim, Cristiano venceu a liga na sua época de estreia. A Juventus conquistou o título pela oitava época consecutiva. Ronaldo fez balançar as redes adversárias por 21 vezes. Foi o melhor marcador dos campeões italianos e o quarto melhor da prova.

Depois de já ter sido campeão em Inglaterra, pelo Manchester United, e em Espanha, pelo Real Madrid, o internacional português sagrou-se agora campeão numa outra grande liga europeia. Fonte: RTP

Com a hegemonia interna consolidada, os bianconeri procuravam ter sucesso também nas provas europeias. A equipa acabaria, contudo, por cair da Liga dos Campeões nos quartos de final, aos pés do Ajax, que chegou às meias finais.

A desilusão de CR7 após a eliminação europeia. Fonte: Record

No final da temporada, chegou ao fim o ciclo de Allegri na Juventus. O presidente do clube, Andrea Agnelli, disse que pensou manter Allegri mesmo depois da eliminação da Liga dos Campeões, mas que acabou por decidir despedir o treinador, na certeza de que “ninguém é indispensável”. 

Para ocupar o lugar deixado vago por Allegri, chegou Sarri, vindo do Chelsea. No Chelsea, Sarri tinha acabado de conquistar a Liga Europa. Antes disso, colocara o Napoli a discutir os títulos taco a taco com a crónica campeã Juventus. “Durante três anos, eu acordava e pensava em como derrotar a Juventus, porque era uma equipa ganhadora. Dei 110 por cento, mas continuava sem conseguir. Foi uma experiência e agora darei tudo por este clube”, atirou o técnico na sua apresentação no clube de Turim. 

Uma das questões que têm marcado esta época na Juventus tem sido a tensão entre Cristiano e Sarri. Cassano, antigo avançado italiano, pronunciou-se no início de dezembro sobre a situação. “Acho que Ronaldo tem um grande problema com Sarri”, apontou Cassano. “Tudo começou com as duas substituições em jogos consecutivos – isso irrita qualquer jogador. Na minha opinião, há um problema, e a Juventus faz bem em manter uma posição discreta em relação ao caso”, explicou o antigo avançado. 

Sarri garantiu, no final de novembro, que a relação com Cristiano “é boa”. “Se ele fica chateado quando o substituo, é sinal de que tem uma motivação forte”, concluiu o técnico italiano. 

Quando Sarri começou a trabalhar na Juventus, imaginou que CR7 poderia ser a referência no centro do ataque. Inclusivamente conversou com o internacional português durante o período de férias do craque para lhe falar destes planos. A verdade é que os mesmos não se concretizaram. Ronaldo continua a atuar na ala esquerda. Quando joga no centro do ataque, é sempre em conjunto com outro avançado, numa dupla mais móvel. Sarri raramente abdica de Higuaín, a referência no centro do ataque. 

Antes do Mundial 2018, o selecionador português, Fernando Santos, referiu-se da seguinte forma ao papel que tinha reservado para Cristiano Ronaldo: “Nunca vai ser ponta de lança. Não pode estar parado e de costas para a baliza à espera de que a bola chegue. Isso era matar o Cristiano”. 

Esta temporada, na liga, Inter e Juventus estão em igualdade pontual no cimo da tabela, com uma vantagem de seis pontos sobre o terceiro classificado, a Lazio, que ainda assim tem um jogo a menos. Cristiano Ronaldo leva dez golos marcados. É o melhor marcador da Juventus e o quarto melhor do campeonato. 

Na Liga dos Campeões, os bianconeri apuraram-se para os oitavos de final. Terminaram a fase de grupos no primeiro lugar de um grupo que contava com Atlético de Madrid, Leverkusen e Lokomotiv. CR7 apontou dois golos nesta fase. Nos oitavos de final, a Juventus terá pela frente o Lyon.

A Lazio provocou um dissabor no final do ano civil a Ronaldo e aos seus companheiros, derrotando a Juventus na supertaça, a 22 de dezembro, por 3-1. Cristiano Ronaldo jogou os 90 minutos. 

Na seleção, o apuramento para o Euro 2020 começou com dois empates em casa, em março, perante Ucrânia e Sérvia. Em junho, CR7 foi decisivo nas meias finais da Liga das Nações, ao apontar um hat-trick frente à Suíça. Portugal venceu a final contra a Holanda, por 1-0.

Cristiano Ronaldo ergueu, no Estádio do Dragão, o troféu da primeira edição da Liga das Nações. Fonte: RTP

No apuramento para o Euro 2020, Portugal somou depois cinco vitórias no resto da fase de grupos. Perdeu unicamente na deslocação à Ucrânia. O apuramento só foi carimbado com a vitória na última jornada no Luxemburgo por duas bolas a zero. Ao longo desta fase, CR7 marcou 11 golos. Só o inglês Harry Kane o superou, com mais um golo. 

A seleção ficou a conhecer a constituição do seu grupo no Euro 2020. Está no chamado grupo da morte, com França e Alemanha, mais o vencedor do playoff a ser disputado entre Islândia, Bulgária, Hungria e Roménia. 

Artigo revisto por Catarina Cravinho Gramaço

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *