Atualidade

Rússia invade Ucrânia. Começou a guerra

Na madrugada desta quinta-feira, dia 24 de fevereiro, a Rússia invadiu em grande escala a Ucrânia. Após o presidente russo, Vladimir Putin, ter anunciado uma “operação militar especial”, por volta das 5h da manhã, começou o ataque a várias cidades ucranianas. Já foram registadas dezenas de mortos.

Após semanas de tensão entre os países do leste, a Rússia avança para várias cidades do país, movimentando tropas através da fronteira e fazendo vários ataques aéreos. Foram registadas explosões em pelo menos cinco cidades ucranianas, nomeadamente a capital Kiev, Kharkiv, Odessa, Dnioro e Mariupol.

A Ucrânia já registou a morte de pelo menos 40 soldados e 10 civis, e ainda dezenas de feridos. Há ainda imagens de longas filas de trânsito com milhares de pessoas em busca de multibanco, bem como a tentar fugir da capital e de outros centros urbanos.

Longa fila de carros e a “corrida à gasolina”. Vários grupos ucranianos estão a fugir para países vizinhos, como a Polónia e a Roménia
Fonte: Reuters

O ministro dos negócios estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, está a lançar atualizações no twitter:

“Não, esta não é uma invasão russa apenas no leste da Ucrânia, mas um ataque em grande escala de várias direções. Não, a defesa ucraniana não entrou em colapso. O exército ucraniano assumiu a luta. A Ucrânia está com os dois pés no chão e continua a defender-se.”

Em vídeo, o Presidente Ucraniano já teria feito um apelo à paz, na noite desta quarta-feira:

“Ouçam a si mesmos, à voz da razão. O povo da Ucrânia quer paz”. Porém, afirmou que o país vai defender-se dos ataques e que nunca verão “as suas costas”, mas sim “os seus rostos”:

Vídeo do Presidente ucraniano.

A resposta da ligação de Zelensky a Putin foi de “silêncio”. O vídeo foi feito para falar diretamente com o povo, uma vez que o presidente ucraniano previa que os órgãos de comunicação social não iriam divulgar o seu vídeo.

Há cerca de dez horas, também António Guterres, secretário geral da ONU, publicou no seu Instagram um vídeo em que pede à Rússia “para retirar as tropas” e “dar à paz uma chance”.

O ataque está a ser condenado por vários países europeus, pela NATO e ainda pelos Estados Unidos da América. O presidente Americano e os líderes do G7 irão reunir-se para anunciar novas medidas contra a Rússia. Joe Biden afirma que “os Estados Unidos, seus aliados e parceiros vão responder de forma unida e decisiva”. 

Apesar de o presidente russo ter destacado só nas últimas semanas 150 mil soldados para a fronteira ucraniana, sempre afirmou que “nunca quis invadir a Ucrânia e que a sua intenção com este ataque”, segundo o Público, é garantir a segurança dos cidadãos russos e das repúblicas separatistas que reconheceu recentemente como Estados independentes, querendo “desmilitarizar” e “desnazificar” o país.

Fonte da capa: Reuters

Artigo escrito por Ana Cristina Barros e Mafalda Tomás

Artigo revisto por Ana Sofia Cunha

AUTORIA

+ artigos

Com 19 anos de vida, Ana alia a sua paixão por animais, fotografia e música ao mundo da comunicação. Sempre gostou de contar histórias, de escrever, de ler e ainda arranjava espaço para falar pelos cotovelos. Criativa, determinada e sempre disposta a ajudar o outro, a Ana vê no jornalismo o privilégio de poder conectar o mundo e as pessoas.

+ artigos

A Mafalda veio de Sintra com o sonho de ser jornalista. Inspirando-se em tudo o que a rodeia tem as suas paixões centradas na escrita e na leitura, sempre curiosa para querer saber mais quer informar os seus leitores com tudo que se passa na atualidade e ainda dar as melhores dicas de lifestyle. Um dia espera que através da comunicação o mundo se torne num lugar melhor com igualdade para todos, onde ninguém tenha mais de ficar em silêncio.