Música

“Sol Posto”: entre o cinema e o Spotify

No ano em que celebraram uma década de existência, a banda lisboeta lançou “Sol Posto”. A longa-metragem surgiu a partir de um momento de reflexão da banda sobre o trabalho dos músicos em tempo de pandemia – período em que se quebraram as pontes entre artistas e público – e está agora disponível no Spotify.

Fonte: PortugalRebelde

Numa sessão única, “Sol Posto” foi exibido a 20 de novembro em 70 salas de cinema e teatros, de norte a sul do país e nas ilhas, tornando-se no filme mais visto em Portugal na semana da sua estreia. Posteriormente, foi disponibilizado para poder ser visto numa versão intimista – e em qualquer ponto do planeta -, através de uma sessão única de streaming e no Videoclube, estando disponível nas quatro grelhas da TV por cabo até dia 15 de abril. O trailer pode ser visto aqui.

Com versões inéditas do repertório da banda, o filme-concerto – realizado por Ricardo Oliveira, em formato longa-metragem – inclui igualmente filmagens exclusivas gravadas durante uma semana, em setembro de 2020. Quanto à narrativa visual, esta decorre em três momentos do dia: crepúsculo, noite cerrada e alvorada, tendo como pano de fundo as paisagens da vila de Melides.

Fonte: CentralComics

A banda já tinha trabalhado com Ricardo Oliveira no documentário “Pontas Soltas”, em 2016, quando este acompanhou o processo criativo e os bastidores da gravação do terceiro álbum: “Capitão Fausto Têm Os Dias Contados”. A curta tem a duração de 40 minutos e foi disponibilizada em março de 2020 na plataforma Youtube. Pode ser vista aqui.

Capitão Fausto em “Pontas Soltas“. Fonte: Bons Rapazes

Quanto a “Sol Posto”, o filme-concerto pretende quebrar a tradicional barreira física palco/plateia, numa altura em que não é possível termos a experiência total de um concerto. Assim, não surge como uma forma de dar resposta aos problemas, mas como uma maneira de superar esses problemas e de chegar às pessoas. Nas palavras do realizador, “é através da lente do cinema [que] se permite aproximar o espetáculo do espectador, não só trazendo este para dentro do palco, mas colocando-o a uma distância que permita uma intimidade quase exagerada.

Este filme-concerto foca-se na passagem do tempo. A ideia de ponderar em vez de agir é igualmente perpetuada ao longo do filme e é frisada à medida que ouvimos os 14 temas que compõem este projeto. Entre sons de máquinas e os do vento a passar entre os ramos, num formato mais pessoal, intenso e acústico, os Capitão Fausto apresentam, entre outras, ‘Mil e Quinze’, ‘Alvalade Chama Por Mim’ e ‘Tui’ – agora disponíveis para ouvires todos os dias e a toda a hora no Spotify.

Artigo Revisto por: Beatriz Campos
Fonte da capa: página de instagram @capitaofausto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *