• Opinião

    Fim do Rápido abranda o Serviço Público

    Começaram no início da semana os cortes a 20% dos comboios que circulam entre o Cais do Sodré e Cascais. A CP passou assim de 251 para 200 comboios por dia nessa linha. Estes cortes incidem sobre os comboios ditos “rápidos” por saltarem 6 estações, entre as 10h e as 17h. O consequente reajuste nos horários implica que, durante este período, apenas haja comboios que param em todas as estações e com intervalos de 20 minutos. A CP justifica-se com os argumentos de que o volume total de passageiros naquele período de tempo não justificava a frequência de comboios rápidos, que apenas 19 dos 80 mil passageiros diários utilizam o…

  • Opinião

    Está tudo acabado entre nós, Alberto

    O serviço público de televisão é um daqueles assuntos que pode estar sempre na berlinda. Há opiniões para todos os gostos e é recorrente ouvir “eu não pago um canal para eles darem isto”. Claro que todos nós pagamos a RTP, mas há aqui uma certa confusão: a RTP não existe para preencher os gostos de quem a paga. Isso seria impossível, por um lado, e, por outro, a função da RTP é garantir o serviço público por mais desinteressante que “Bem-vindos a Beirais” nos possa parecer. O verdadeiro problema reside nas diferentes interpretações do que é o serviço público. A recente polémica sobre a compra dos direitos de transmissão…