Moda e Lifestyle

Países‌ ‌que‌ ‌devias‌ ‌visitar‌ ‌–‌ ‌e‌ ‌que‌ ‌são‌ ‌mais‌ ‌baratos‌ ‌do‌ ‌que‌ ‌pensavas‌ ‌

Viajar. Esta palavra tão desejada e da qual temos tantas saudades. E se, quando pudéssemos voltar a andar pelo mundo, fôssemos a lugares maravilhosos, mas sem gastar muito dinheiro? Neste artigo vou falar-vos de alguns dos sítios que se podem visitar a partir de 20€ por dia, segundo o que os meus oráculos me contaram.

México

No México, a nossa moeda vale muito: 1 peso mexicano, a moeda local, vale 0,042€. 

Uma vez no México, é obrigatório visitar Chichén Itzá. Esta cidade foi a capital do território dominado pelos maias de 987 a 1200 e está agora em ruínas, mas muito bem preservadas e com uma rica variedade arquitetónica – tanto é que são uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno. As ruínas contam com esculturas muito grandes e relevos refinados. Em Chichén Itzá podem encontrar-se, entre outras, a Pirâmide El Castillo – aquela a que se associa a cidade e que podem ver também na imagem abaixo – o Templo dos Guerreiros, o Templo das Mesas e o Templo das Mesitas, o Observatório Caracol e o Centro Sagrado.

Chichén Itzá. Fonte: Google Imagens

Ainda sobre ruínas, é obrigatório falar (e visitar) as Ruínas de Teotihuacán. Apesar de ter sido uma grande cidade e de ter muito da cultura asteca, a sua atração turística deve-se sobretudo às duas grandes pirâmides: a Sol, com 65 metros de altura, e a Lua, com 45 metros.

Ruínas de Teotihuacán. Fonte: Astelus

Oaxaca é conhecida pelas celebrações do Dia de Los Muertos. Nunca lá estive, mas aposto que se fizerem silêncio até dá para ouvir “You sai put them on your head, ai mi amor, ai mi amooooor! You make me un poco loco, un poquititito loco”.

A cidade é também conhecida pelas suas casas coloridas e pelos seus prédios de estilo espanhol que foram construídos para suportar os terramotos da região e que são Património Mundial da UNESCO desde 1987.

Oaxaca. Fonte: Google Imagens

E praias? A Praia de Akumal, na riviera maia, é, sem dúvida, uma beleza. Apesar de ser uma área de preservação da natureza, está aberta ao público. Fechem os olhos – ok, é melhor não, para conseguirem ler – e imaginem uma praia de areia branca, cheia de palmeiras e com uma baía onde a água é muito verde. Agora imaginem que estão a nadar nessa água e à vossa volta têm tartarugas e arraias a fazer-vos companhia. Era bom, não era? Só não podiam tocar no fundo da baía, para não destruir a vegetação.

Praia de Akumal. Fonte: Google Imagens

Ainda na onda das águas mexicanas, temos Cenote dos Ojos, as cavernas submersas. Com uma extensão de 60km, as cavernas têm lagoas com uma água azul de meter inveja a quem não lá vai, mas que permitem a quem lá está fazer mergulho.

Cenote dos Ojos. Fonte: Google Imagens

Por último, temos um verdadeiro terraço de pedra calcária. Chama-se Hierve el Água e foi formado por fontes termais que escorrem pelas rochas, das quais adquirem bicarbonato de sódio, o que faz parecer que a água está congelada no mar.

Hierve el Água. Fonte: Google Imagens
Fonte: Canal de Youtube do JustKay

Cambodja

A moeda deste país é ainda mais baixa do que a do México. Na verdade, é mesmo muito baixa: 1 riel cambojano são 0,00020€ e é por isso que a viagem a este país pode ser, realmente, muito barata.

Com a sua capital em Phnom Penh, o Cambodja é um país com uma cultura muito vasta e rica, assim como a sua história. Angkor Wat e os Campos de Extermínio Choeung Ek – ou Killing Fields do Khmer Vermelho – são bons exemplos disso. O primeiro são as ruínas de templos milenares do século XII e é Património Mundial da Humanidade, enquanto o segundo simboliza o período de genocídio da história do Cambodja, tendo muitos ossos humanos – como se fosse uma Capela dos Ossos cambodjiana.

Legenda: Angkor Wat. Fonte: Google Imagens
Caveiras nos Killing Fields. Fonte: Google Imagens

Lembram-se do filme “Lara Croft: Tomb Raider”? Os cenários são do Templo Ta Prohm e esta é também uma atração obrigatória no país.

Templo Ta Prohm. Fonte: Google Imagens

Para quem gosta mais de água do que de ruínas e monumentos, não fique triste! Praias e lagos não faltam no Cambodja. Para passear, a pé ou de barco, o Parque Nacional Ream é perfeito.

Parque Nacional Ream. Fonte: Google Imagens

E quem gosta mesmo muito de água tem de visitar o Lago Tonle Sape, onde há mercados e aldeias flutuantes onde habitam, sobretudo, pescadores. 

Lago Tonle Sape. Fonte: Google Imagens

E Koh Rong? É uma praia daquelas paradisíacas com que sonhamos no inverno enquanto morremos de frio, ainda que tenhamos 72 mantas em cima e a lareira acesa. A água é transparente e, por isso, é muito convidativa para fazer snorkelling.

Koh Rong. Fonte: Google Imagens

Quem preferir estar mais afastado do turismo e quiser conhecer a verdadeira cultura cambodjiana não pode sair do país sem ir a Chi Phat, uma pequena aldeia nas margens do rio Preak Piphot.

Chi Phat. Fonte: Google Imagens
Chi Phat. Fonte: Google Imagens

O Cambodja tem muitas outras atrações e sítios que devem ser visitados e dos quais não falei, mas que, certamente, merecem a apreciação e fama que têm.

Fonte: Canal de Youtube Cambodia Tourism Videos

Macedónia

Na Macedónia, a moeda vale menos do que o euro, mas mais do que a dos países anteriores: 1 dinar macedónio equivale a 0,016€.

É obrigatório visitar a capital, Skopje. A cidade é caracterizada por quase se dividir em duas partes: a Cidade Velha, no centro histórico, com uma arquitetura de estilo greco-romano, e a Cidade Nova, à beira rio, de estilo mais árabe.

Skopje, “Cidade Nova”. Fonte: Pexels
Skopje, “Cidade Velha”. Fonte: Google Imagens

Em Ohrid, pode-se aproveitar a história e os monumentos, mas também as praias do lago. A Igreja de Santa Sofia e a Igreja de São João de Kaneo são as duas obrigatórias na cidade, mas as Ruínas da Basílica Cristã também merecem uma visita, assim como a Fortaleza de Samuel, o Teatro Antigo e muitas outras coisas. Importante é não ir embora sem ver o Mosteiro de Sveti Naum, onde há uma capela com frescos muito apreciados pela maioria dos visitantes.

Ora, como já disse, Ohrid fica nas margens do lago Ohrid e, por isso, é também possível fazer outro tipo de atividades como passear de barco ou ir à Praia de Potpesh.

Ohrid. Fonte: Google Imagens
Ohrid, Mosteiro de Sveti Naum. Fonte: Google Imagens

Tetovo também é uma cidade histórica, com visita obrigatória à Mesquita Sarena Dzamija. A proximidade da cidade às montanhas Sar permite que, ao visitar a cidade, se visite também as montanhas.

Tetovo e as montanhas Sar ao fundo. Fonte: Google Imagem

É ainda preciso mencionar a Baía dos Ossos, que é, praticamente, um museu aquático: uma pequena ilha unida à terra por uma ponte e onde está recriada, arqueologicamente, uma povoação romana.

Fonte: Canal de Youtube JayWay Travel

Filipinas

Ai, as Filipinas… Dispensam apresentações: praia, natureza e vulcões. Ilhas perfeitas para apanhar sol, nadar naquela água maravilhosa, fazer caminhadas e até escalar a natureza.

A moeda com mais valor, destes quatro países, é a das Filipinas: 1 peso filipino são 0,017€, por isso, uma viagem a estas ilhas maravilhosas pode sair mais barata do que o que esperávamos.

Bantayan é a ilha perfeita para fazer praia enquanto se está rodeado por uma paisagem paradisíaca. Estar ali deitados, ir até ao mar…

Batayan. Fonte: Google Imagens

Na ilha de Siargao há areia branca, palmeiras e água cristalina – tal como nas outras ilhas filipinas, não é maravilhoso? A diferença é que esta é a ilha perfeita para fazer surf

Siargao. Fonte: Google Imagens
Lagoa Sub, ilha de Siargao. Fonte: Google Imagens

Palawan – a ilha que foi o refúgio d’el Professor, em La Casa de Papel. Na verdade, não é uma ilha, mas um arquipélago que até foi distinguido como a melhor região do sudeste asiático e é uma das 13 melhores ilhas do mundo. A vantagem é que, apesar de ser muito turística, há zonas que não têm muita afluência de turistas e, como tal, acabam por ser muito características.

Palawan. Fonte: Google Imagens

Se sonham nadar em águas paradisíacas, qualquer ilha das Filipinas é perfeita, mas se querem nadar com tartarugas, então Apo é a ilha ideal, porque, apesar de ser uma ilha pequena, tem muita diversidade de vida marinha e cerca de 400 tipos de corais. Tentador, não? 

Apo. Fonte: Google Imagens
Mergulho em Apo com tartarugas. Fonte: Google Imagens

Outra ilha muito boa para se fazer mergulho é Malapusca. Na verdade, é um dos melhores sítios nas Filipinas para o fazer, mas aqui não se nada só com tartarugas, mas também com mantas e tubarões-debulhadores.

Malapusca. Fonte: Google Imagens
Tubarão nas águas da ilha da Malapusca. Fonte: Google Imagens

Bohol, a ilha das Colinas de Chocolate e dos Tarsiers. Mas não se entusiasmem muito, porque as colinas não são realmente de chocolate – é apenas o nome delas. A sua formação tem teorias geológicas que dizem que foram formadas pelo vento ao longo de milhares de anos ou por vulcões sub-oceânicos, mas há também quem conte a lenda de que as colinas são as lágrimas secas que o gigante Arogo chorou quando o seu amor morreu. Verdade ou não, as colinas estão “em lista de espera” para se tornarem Património da Humanidade. E os Tarsiers, o que são? Um dos mamíferos mais pequenos do mundo – e estão em vias de extinção. Acredito que a minha opinião possa ser contestada por muitos, mas eu acho que são uns bichinhos muito amorosos.

Claro que, sendo Bohol uma ilha das Filipinas, não podiam faltar as cascatas e, obviamente, as praias.

Bohol. Fonte: Google Imagens
Colinas de Chocolate. Fonte: Google Imagens
Tarsier, um dos mamíferos mais pequenos do mundo. Fonte: Google Imagens

Já Luzon, a maior ilha das Filipinas, tem muitos campos de arroz, o vulcão Mayon e até os Caixões Pendurados de Sagada.

Luzon. Fonte: Google Imagens
Caixões Pendurados de Sagada. Fonte: Google Imagens

Cebu é a ilha mais multicultural e também a mais antiga das Filipinas. Nela há praias com vilas piscatórias, mas também as Florestas de Mangues e montanhas com uma altura de até 100 metros.

Cebu. Fonte: Google Imagens

Siquijor é uma ilha lindíssima, digna de todos os sonhos e mais alguns, pelo que vale a pena ignorar a fama da ilha para a visitar. Qual fama? A ilha é conhecida como a ilha das Bruxas, porque os filipinos acreditam que os seus habitantes recorrem a práticas como o vodu e, por isso, não gostam muito de Siquijor.

Siquijor. Fonte: Google Imagens

Se preferem uma ilha mais calma e com menos turismo, então Palaui é a ilha perfeita. Para além de ser Reserva Marinha Nacional desde 1994, é uma ilha muito pouco explorada e, portanto, está num estado muito natural e selvagem. Esta ilha será das melhores para gastar pouco dinheiro, até porque… não há muito onde gastar.

Palaui. Fonte: Google Imagens
Palaui. Fonte: Google Imagens
Fonte: Canal de Youtube Gleb

Podia falar de muitos outros sítios que podem ser visitados por um custo diário baixo, como é o caso de Bali, da Geórgia, de Palermo ou até da Malásia, mas nesse caso este artigo iria ficar a parecer uma enciclopédia e o objetivo não é esse.

Espero que tenham apreciado tanto as imagens destes lugares como eu e espero que os possamos visitar o mais rapidamente possível!

Imagem de capa: Pexels

Artigo revisto por Constança Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *