As traduções de Harry Potter y la philosopher’s stone

O Dia Internacional da Tradução foi quarta-feira, mas as vibrações da festividade ainda cá cantam. Como tal, para continuar a celebração que se iniciou a 30 de setembro, venho abordar duas traduções face à versão original de um dos livros mais falados (e criticados): Harry Potter e a Pedra Filosofal.

Duas traduções de um mesmo livro podem (e devem) ser diferentes – sendo que cada uma tem a sua própria essência. Para a continuação da festividade do Dia Internacional da Tradução, decidi comparar a tradução portuguesa e a tradução espanhola à versão original, captando, desta forma, as essências de cada uma das versões.

Traduzida para mais de 70 idiomas, a saga escrita por J.K.Rowling tem verdadeiros amantes espalhados por todos os cantos do mundo. Decidi mostrar quatro momentos em que a tradução se torna importante para que os leitores tenham o melhor aproveitamento possível da história.

1 – “Thank you very much

Fotografia de Joana Americano
Detalhe do cabeçalho do primeiro capítulo em inglês, edição comemorativa dos 20 anos de Harry Potter

Harry Potter e a Pedra Filosofal começa com uma frase que não se refere ao rapaz que sobreviveu ao Senhor das Trevas, Lord Voldemort, mas aos seus tios maternos – o casal Dursley:

Mr. And Mrs Dursley, of number four, Privet Drive, were proud to say that they were perfectly normal, thank you very much. (ING)

Já dizia José Saramago que “a língua é a mais preciosa das ferramentas”. As traduções lidas fazem jus àquilo que foi escrito originalmente por J.K.Rowling. As mudanças verificadas nas traduções versus original surgem como um mecanismo de ajuda para que a tradução se ajuste o melhor possível ao seu significado.

Assim, a expressão “thank you very much” utilizada na versão original foi adaptada para “graças a Deus” em português e “afortunadamente” em espanhol, respetivamente. A expressão podia ter sido traduzida para “muito obrigado” ou “muchas gracias”, mas não faria justiça à mensagem original.

Assim, voltando a Saramago, a língua funcionou como uma ferramenta e a expressão foi adaptada, tanto na tradução portuguesa como na espanhola, de modo a não colocar em risco a intenção original do texto.

2 – “Querido Señor Potter

Fotografia de Joana Americano
Carta de Hogwarts recebida por Harry Potter

Os grandes leitores assíduos da saga de J.K.Rowling demonstram uma grande tristeza por nunca terem recebido uma das famosas cartas para a Escola de Magia e Feitiçaria de Hogwarts. Harry Potter teve a sorte de entrar, independentemente das inúmeras tentativas dos tios Dursley de sabotar tal destino.

Quando Harry recebe a famosa carta, conseguimos ler uma saudação muito utilizadas em inglês:

Dear Mr. Potter”.

Como já falámos, as traduções são feitas para que haja justiça entre o original e a tradução. Em vários casos, as alterações têm de ser feitas com especial atenção à cultura presente na versão original – neste caso, à cultura inglesa. Em espanhol, os tratamentos são diferentes e a tradução espanhola escolheu utilizar um termo mais informal – utilizado especialmente quando o destinatário é conhecido. Assim, na carta de aceitação para Hogwarts, Harry Potter é tratado por “Querido señor Potter”.

A língua portuguesa tem uma grande tendência para ser palavrosa (quem não pensa nas 100 páginas da descrição do Ramalhete d’Os Maias de Eça de Queirós?) e também ela formal. Como tal, na carta traduzida para português, a escola dirige-se a Harry Potter como “Caro Sr. Potter”.

3 – Rubeus Hagrid e sua forma única de se expressar

Fotografia de Joana Americano
Detalhes dos diálogos de Hagrid na edição espanhola.

A tradução é um processo complexo – especialmente quando se trata do texto de personagens que têm uma maneira característica “de falar”. Em inglês, Hagrid, um dos primeiros amigos mágicos que Harry conhece, fala de uma forma tão particular que nos remete para a maneira típica de um inglês coloquial comunicar. Por exemplo, quando Hagrid está com Harry e os amigos, Ron Weasley e Hermione Granger, e estão todos de volta de um ovo de dragão:

Jus’ lookin’, ‘ he said, in a shifty voice that got their interest at once. ‘An’ what’re you lot up ter?’ (ING)

No que diz respeito à tradução, uma das maiores dificuldades é traduzir o texto de forma a causar o mesmo impacto que o do original, mas da forma única que só o português e o espanhol poderiam fazer.

No caso português, conseguiu-se abreviar as palavras, dando a sensação de simplicidade e aquela aura despachada do próprio guardião das chaves e dos terrenos de Hogwarts:

-’Tava só à procura d’uma coisa -, justificou-se num tom de voz manhoso que lhes chamou a atenção. – E vocês, o qu’é que ‘tão aqui a fazer? (PT)

Em espanhol, a coisa difere. A língua espanhola é, por norma, mais simples e muito mais despachada do que o próprio português. Assim, a sua tradução não contém abreviaturas, mas capta igualmente uma ideia do quão simples é Hagrid.

-Estaba mirando – dijo com una voz evasiva que les llamó la atención -. ¿ Y vosostros qué hacéis? (ESP)

4 – Podiam ser mortos ou, pior… EXPULSOS!

Fotografia de Joana Americano
Detalhe das páginas em português de um dos diálogos de Hermione.

O trio maravilha (e não estamos a falar de Malfoy e dos seus amigos) é composto pelas personagens que mais se metem onde não devem, mesmo quando querem é distância dos problemas. Cada personagem tem a sua essência e não podemos negar que Harry, Ron e Hermione se completam face às suas diferentes personalidades. Ron é o mais descontraído e Hermione é aquela que mais trabalha para ser uma aluna de topo, compensando o facto de ser uma feiticeira cujos pais são muggles (pessoas sem magia).

Por vezes, a tradução consegue ser feita e deixar o texto com o novo idioma exatamente como estava na versão original, com as suas devidas adaptações gramaticais e lexicais. Um dos exemplos é quando Hermione demonstra estar mais preocupada por haver a possibilidade de serem expulsos da escola do que mortos:

I hope you’re pleased with yourselves. We could all have been killed – or worse, expelled. Now, if you two don’t mind, I’m going to bed.’ (ING)

Neste caso, ambas as versões – tanto a portuguesa como a espanhola – estão escritas tal e qual como a versão original. Por vezes, as nossas adaptações podem ser exatamente como as originais, sem qualquer tipo de mudanças para além das necessárias para cada língua:

-Espero que estejam satisfeitos convosco. Podíamos ter morrido todos – ou pior, sermos expulsos. Agora, se não se importam, vou deitar-me. (PT)

-Espero que estéis satisfechos. Podríamos estar muertos… o peor, expulsados. Ahora, si no os importa, me vou a la cama. (ESP)

Como comemoração do Dia Internacional da Tradução, falamos de uma das obras infantojuvenil mais aclamadas: Harry Potter e a Pedra Filosofal – um livro traduzido para mais de 70 línguas e um dos mais falados e mais criticados em redor do mundo. Apesar das dificuldades que cada tradutor enfrenta, cada profissional faz o melhor que pode para deixar o texto adaptado o mais parecido possível ao original. Acreditem, esta Slytherin é de confiança.

Artigo escrito por Joana Americano

Artigo revisto por Bruna Gonçalves

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *