Opinião

A Resposta é Interseccionalidade

O dia 8 de março é um dia importante. O que ele representa é impossível de “arrumar” na agenda de um só dia do ano – tem de ser estendido ao longo dos restantes 364. Até porque as lutas se cruzam, existe intersecção.

É factual que as mulheres sofrem em vários períodos e circunstâncias da vida; vivemos numa sociedade automaticamente repressora. Negacionistas da violência contra as mulheres têm um nome: machistas. Aliás, estas personagens são interessantes de estudar: maioritariamente homens, negam uma das problemáticas mais empíricas que existem e veem o mundo a partir do seu lugar.

Atrelados à experiência machista estão outros problemas que se vão multiplicando à medida que o privilégio vai diminuindo. Privilégio, o bicho papão de que tanto se houve falar, afinal é o quê? Privilégio é, na sua definição mais simples, um direito ou vantagem concedido a alguém, com exclusão de outros. Não é algo que se possa escolher. Ninguém escolhe nascer homem, ou branco, ou no seio de uma família rica, por exemplo. É algo que nasce connosco. Por essa razão, e se voltarmos à definição que apresentei, temos de perceber que “com exclusão de outros” também faz parte da sua essência. Desta forma, temos a obrigação de reconhecer e entender o nosso privilégio, uma vez que outros foram desfavorecidos para que o possamos ter.

Não é uma tarefa fácil, admito. Não é algo que nos é ensinado e é um processo que demora tempo; porém, é uma jornada crucial. É importante perceber que uma mulher branca não sofre o mesmo preconceito que uma mulher negra ou uma mulher transgénero sofre. E porquê? Porque além de machismo, uma mulher negra sofre também de racismo, uma mulher trans sofre também de transfobia e uma mulher negra e trans sofre de machismo, racismo e transfobia.

Quando duas ou mais retas se tocam num ponto, temos uma intersecção. Quando transportamos esse conceito para o meio sociopolítico percebemos que o machismo, o racismo e a transfobia são retas que se intersetam, não são paralelas. É simples.

Como, então, compreendemos todas estas ligações? A resposta é a Interseccionalidade. Segundo Angela Davis, em A Liberdade é uma Luta Constante, a teoria interseccional são todos “os esforços para refletir, analisar e organizar a maneira como reconhecemos as interligações entre raça, classe, género e sexualidade”. A ideia de interseccionalidade foi sistematizada, pela primeira vez, pela professora universitária norte-americana Kimberlé Crenshaw e surgiu da necessidade de compreender que a discriminação que uma mulher negra sofre é diferente da discriminação que uma mulher branca sofre.

Kimberlé Crenshaw
Fonte: Feminismo Com Classe

A interseccionalidade não é uma competição para ver quem tem menos privilégios. A interseccionalidade apela a que ganhemos consciência de que existem várias formas de discriminação e desigualdade que se sobrepõem, interligam e propõe que, para se combater a desigualdade e o preconceito, temos de lutar não só contra a opressão de género, como também contra todo o tipo de opressão. Quando, no dia 8 de março, protestamos contra a opressão e a violência contra as mulheres, temos de protestar contra a transfobia que mulheres e todas as pessoas trans sofrem; contra o racismo que mulheres racializadas sofrem; contra a discriminação que mulheres com deficiência, seja física ou psicológica, sofrem; contra a discriminação que mulheres de outras religiões sofrem; e contra todos os tipos de discriminação de que mulheres possam ser alvo.

Quando, em debate público, se aborda o facto de mulheres estarem em minoria em cargos de chefia ou o facto de mulheres serem mais mal pagas do que homens quando têm a mesma função, temos também de abordar o facto de a taxa de mulheres racializadas e de mulheres com deficiência em cargos de chefia ser ainda menor do que a de mulheres brancas.

Um bom exemplo de como a interseccionalidade funciona é a luta do povo palestiniano. O “Apartheid” da Palestina é um problema feminista. As mulheres da Palestina estão a ser oprimidas pelo Estado de Israel. Quando expomos a opressão que as mulheres sofrem em Portugal, lembremo-nos de que as mulheres palestinianas estão numa situação muito pior e que também elas precisam que lutemos por elas e pela sua libertação.

A interseccionalidade não pretende diminuir a luta de algumas mulheres em relação a outras, mas sim agregar e unir esforços para combater a discriminação que todas sofrem com o objetivo de acabar com essa opressão e conseguirmos alcançar uma sociedade mais justa e igual.

Em Portugal, a deputada Joacine Katar Moreira criou o Dicionário Interseccional, uma série de pequenos vídeos apresentados por Guadalupe Amaro (@rainhapura no Twitter), que explica vários conceitos da Interseccionalidade e que procura “desmistificar e definir conceitos importantes da legislatura”. O primeiro episódio pode ser visto aqui.

Set das gravações da série. Da esquerda para a direita: Joacine Katar Moreira, Eduardo Cunha, Miriam Sabjaly. No cadeirão: Guadalupe Amaro
Fonte: Twitter (@KatarMoreira)

Resta-me só dizer que, tal como o feminismo, a Interseccionalidade não é exclusiva a mulheres, embora tenha sido teorizada por mulheres. Homens e pessoas de todos os géneros podem aprender mais sobre Interseccionalidade e aplicá-la no seu dia a dia. Só juntos é que conseguimos construir uma sociedade melhor.

Fonte da capa: Catalyst: Workplaces that Work for Women

Artigo revisto por Beatriz Cardoso

AUTORIA

+ artigos

Gabriel Miraldo, 19 anos, é estudante de jornalismo. Frequentou durante um ano a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e foi lá onde percebeu que queria ser jornalista. A arte, a cultura, a música, e essencialmente as pessoas são o que o inspiram. Gabriel espera um dia dar voz àqueles que não são ouvidos. A ESCS Magazine é o seu ponto de partida.