Atualidade

Dois jornalistas distinguidos por Oslo na luta contra o autoritarismo

O Comité Nobel norueguês galardoou a filipina Maria Ressa e o russo Dmitry Muratov com o Prémio Nobel da Paz 2021 por lutarem pela liberdade de expressão e contra o autoritarismo, nas Filipinas e na Rússia. Desde 1935 que este prémio não era atribuído a jornalistas.

Fonte: Observador

Num universo de 329 candidatos ao prémio (234 pessoas e 95 organizações), Ressa e Muratov foram os escolhidos, na passada sexta-feira, por afrontarem o poder de dois líderes autoritários, Rodrigo Duterte e Vladimir Putin, com aquilo que é a profissão de ambos, o jornalismo. 

Segundo o Diário de Notícias, organizações como os Repórteres Sem Fronteiras, o Comité de Proteção de Jornalistas ou o Internacional Fact-Checking estavam nomeados, e entre os favoritos constavam ativistas na área das alterações climáticas e cientistas cujo trabalho ajudou a combater a pandemia da covid-19. 

Apanhados de surpresa, o júri não hesitou em entregar o prémio a estes dois jornalistas considerados “corajosos” e “notáveis”pelos seus esforços na salvaguarda de expressão, que é uma condição imprescindível para a democracia e para a paz duradoura“.  

“Os jornalistas premiados são representantes de todos os jornalistas que defendem esse ideal em um mundo em que a democracia e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas”, acrescentou e justificou a entidade responsável pela entrega do Nobel da Paz. 

Fonte: ABC News

Maria Ressa, de 58 anos, é natural das Filipinas. Cresceu nos Estados Unidos, onde se formou. É jornalista há 35 anos, mas foi a partir de 2012 que a sua carreira tomou um novo rumo, tendo co-fundado a plataforma digital de jornalismo de investigação: Rappler. Chegou a ser presa pelo governo do ditador filipino em 2019, mas nunca desistiu de denunciar a violência associada à campanha anti-droga lançada pelo regime.

A vencedora Filipina dedicou, este sábado, o Nobel da Paz “a todos os jornalistas do mundo”. “É verdadeiramente para todos os jornalistas de todo o mundo.Nós realmente precisamos de ajuda em muitas frentes. É muito mais difícil e perigoso ser jornalista hoje”, disse Maria Ressa numa entrevista à Agência France Presse (AFP). 

Muratov tem 59 anos e é editor-chefe do jornal Novaia Gazeta, considerado “o jornal mais independente na Rússia nos dias de hoje”, pela Academia Nobel. É também um dos veículos mais perseguidos pelo governo de Vladimir Putin, uma vez que seis jornalistas que trabalhavam no Gazeta foram assassinados em crimes ainda não esclarecidos. 

A Academia Nobel afirma que Muratov é um jornalista que “há décadas defende a liberdade de expressão na Rússia, em condições cada vez mais difíceis”.

O sindicato dos jornalistas e o secretário-geral da ONU, António Guterres, não deixaram este momento passar em vão e saudaram os vencedores. Guterres apelou para a defesa da liberdade de imprensa no mundo, afirmando que “nenhuma sociedade pode ser livre e justa sem jornalistas capazes de investigar infrações, informar os cidadãos, pedir contas aos dirigentes”. Já o sindicato considera ser “urgente” defender o jornalismo e combater a “desinformação”, e a “única forma de o fazer é com o jornalismo”. 

Artigo revisto por Ana Sofia Cunha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *