Leopardo ou uma maneira de conseguir a imortalidade

Poster do Filme, fonte: Wikipedia

O filme de Luchino Visconti é uma das grandes obras-primas da história do cinema, nele tudo é praticamente perfeito. A história da família Garibaldi é poesia em movimento. E Burt Lancaster tem uma das maiores atuações no ecrã.

Talvez a primeira coisa que venha à memória do espectador quando mencionam o filme O Leopardo, para quem o conhece, seja a memorável encenação do baile, na qual a dança e o cinema se misturam, transformando-se em algo majestoso. A música (com uma enorme influência da ópera que Visconti sempre amou e da música de Verdi) é o elemento central na definição de toda essa cena que ficou guardada como um clássico. Mas há que prestar atenção, não só a essa cena, mas sim a todo o filme, porque tudo é praticamente perfeito nele. O filme de 1963 aborda um período histórico da reunificação Italiana, impulsionada por Garibaldi. D. Fabrizio, interpretado de forma impressionante por Burt Lancaster.  Garibaldi. D. Fabrizio é um aristocrata que tenta manter o seu modo de vida, apesar da mudança que opera em terras italianas, e para quem a ascensão da burguesia é uma ameaça ao seu estatuto. Num movimento ousado e hábil, o aristocrata planeia um casamento combinado entre o seu sobrinho Tancredo, interpretado por Alain Delon, um dos atores fetiche de Visconti (vemo-lo anteriormente em Rocco e os seus irmãos de 1960), e Angélica, interpretada pela diva do cinema italiano Cláudia Cardinale, filha de um rico Burguês. Com esta “movimentação” D. Fabrizio tenta manter viva a sua influência.

O que dizer da atuação de Burt Lancaster no papel de D. Fabrizio? É uma sublime demonstração de um grande poder de controlo emocional nas cenas, magnânimo. Funde a arte da representação com a poesia, como naquela magnífica cena em que Fabrizio se olha ao espelho em lágrimas.

O filme marcou imenso a carreira de Lancaster, que admitiu numa entrevista em 1963 que Visconti foi “o melhor realizador com quem trabalhou”, indicando-o como “alguém que comunicava e entendia os valores da representação melhor do que qualquer outro”. Na mesma entrevista, Burt Lancaster afirmou que se identificou “com o conceito intelectual da estória de Lampedusa graças à ajuda de Visconti” que o ajudou a perceber “características italianas e sicilianas de comportamento” que lhe serviriam de base na criação da sua personagem. Foi uma das grandes atuações da História do cinema. E Cláudia Cardinale? Fantástica. É divina na sua interação com Deloin e Lancaster. Este foi o papel de uma vida da Diva Italiana.


Burt Lancaster,  fonte jornal LATimes, foto: Burt Lancaster(AMC)

Scorsese indicou que O Leopardo foi um dos cinco filmes com os quais mais aprendeu, pondo-o ao lado de outros “Monstros”, como The Searchers, de John Ford (1956), ou Citizen Kane (1941), considerada a Magnum Opus de Orson Welles. Outros realizadores, como Woddy Allen ou o ensaísta João Bénard da Costa, não escondem a influência do legado de Visconti na forma como abordam o cinema. A sua importância no neorrealismo Italiano é indesmentível.

O Leopardo é uma das obras mais marcantes da história do cinema. Ganhou o Palma de ouro em Cannes, o que lhe aumentou o sucesso. É um filme sobre a vida e sobre toda uma Itália em construção. Está ao lado de 8 ½ do genial Fellini ou de um dos precursores do Neorrealismo – Ladrões de Bicicletas, de De Sica, um dos maiores filmes italianos de sempre. Mas cingir tamanha obra-prima a Itália seria um crime contra o cinema, por isso, é impossível não considerar O Leopardo um dos grandes filmes de sempre. Voltar a ele é uma obrigação.

Artigo revisto por Sara Tomé

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *