Ministro justifica imposto sobre refrigerantes com “razões de saúde”

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirmou, em Paris, que os impostos sobre refrigerantes “têm a ver com razões de saúde”.

Em declarações aos jornalistas na Feira Internacional do setor agroalimentar SIAL, que irá estar “aberta” até ao dia 20 de outubro em Paris, o ministro português da Economia, Manuel Caldeira Cabral, justificou a sua presença de modo a “apoiar os exportadores do setor agroalimentar” sem que haja “novos impostos às empresas(…)”.

De acordo com a proposta do OE para 2017, apresentada na sexta-feira, 14 de Outubro, o Governo pretende taxar os refrigerantes através do imposto sobre o Álcool e Bebidas Alcoólicas (IABA), com o objetivo de entregar esta mesma receita à “sustentabilidade do Sistema Nacional de Saúde”.

O ministro da economia declarou ainda que “(…)São produtos da área das bebidas e que têm a ver com razões de saúde e que têm sido adotados em muitos países”.

Por outro lado, Amândio Santos, presidente da Portugal Foods, uma associação do setor agroalimentar português, declarou, à Lusa, que “Um imposto – quando existe um investimento das empresas para adaptar os produtos a estas preocupações de alimentação e da saúde – naturalmente vem penalizar este processo (…)”.

Para este ano, as estimativas pioraram, sendo esperado agora um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2,4% do PIB.

Artigos recentes

The (not so) Good Place

Estás à procura de uma série curta e divertida para fazer binge-watching durante a quarentena? The Good Place pode ser a melhor opção. Esta série

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *