Capital

Museus e exposições que tens de visitar!

Com o desconfinamento, podemos voltar a aproveitar a cultura em primeira mão. Durante o mês de abril, diversos museus têm entrada gratuita e algumas exposições já te permitem aproveitar gratuitamente, por isso, a ESCS Magazine traz-te algumas sugestões que tens de visitar! Algumas das sugestões que te apresentamos neste artigo aceitam doações, por isso, após a tua visita, considera ajudar a cultura portuguesa através de uma doação monetária à tua escolha.

#1 Chronos Redux

Fonte: Underdogs

A Galeria Underdogs, em Marvila, é casa da exposição Chronos Redux, de autoria do artista português Add Fuel. O catalisador desta exposição foi a incerteza vivida em tempos de pandemia e que permitiu ao artista visitar os seus antigos trabalhos e criar uma exposição baseada na linearidade e ciclicidade da inovação e da padronização. A exposição tem como objetivo refletir sobre a passagem do tempo e contemplar as obras de arte com um olhar diferente. Esta apresenta padrões e temáticas tradicionais portuguesas e estrangeiras e inclui peças desenvolvidas em 2008, mas também padrões novos e que permitem uma visão sobre a evolução e o futuro do trabalho do artista.

#2 Museu do Dinheiro

Fonte: Museu do Dinheiro

Inaugurado em 2016, o Museu do Dinheiro aposta na interatividade, de modo a promover a participação do visitante e a construção de conhecimento do visitante. Podes saber mais sobre a história do dinheiro e sobre como este se relaciona com a sociedade, o fabrico da nota e da moeda e o Banco de Portugal e ainda visitar o Núcleo de Interpretação da Muralha D. Dinis. Como recordação, podes também cunhar uma moeda com a tua imagem. Com 4 pisos imperdíveis, algumas das peças que não podes deixar de ver neste museu são: a Muralha D. Dinis, a nota de 500 escudos que deu a Alves dos Reis a fama de um dos maiores burlões da história de Portugal e ainda uma barra de ouro de 12,6 kg.

#3 Happy Endings

Fonte: Crack Kids

A zona de galeria da Crack Kids, no Cais do Sodré, acolhe a exposição Happy Endings, que inclui peças de artistas como Adamastor, Columbus 3, Chure, Fedor, Fiumani, Gonçalo Mar, Margarida Fleming, Mariana Malhão, Mariana Miserável, Nuno Alecrim, Ruído, Sepher, Smile e a Teresa Rego. Após mais de um ano com restrições e incerteza, a galeria desafiou os 14 artistas mencionados a interpretar o final perfeito da forma que quisessem. O resultado são peças fruto de estilos e técnicas completamente distintas.

#4 Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros

Fonte: Toponímia de Lisboa

Próximo do Arco da Rua Augusta, ao entrar no edifício do Millennium BCP, podes explorar este sítio arqueológico da Baixa e conhecer a História de Lisboa, desde a Idade do Ferro, passando pelo Período Romano e pelo Islâmico e terminando no Pombalino. O Núcleo Arqueológico ocupa parte do subsolo deste edifício e podes ver vestígios romanos como tanques de garum (molho apreciado na época), materiais cerâmicos e até parte de uma via romana. A entrada é gratuita, mas sujeita a inscrição.

#5 We Still Have a Dream

Fonte: Underdogs

A exposição We Still Have a Dream, autoria do Halfstudio, está albergada na Underdogs Capsule até dia 22 de maio. O intuito do trabalho foi reutilizar objetos que tinham sido anteriormente deitados para o lixo (como serras, caixas de luz e mais), recuperá-los e pintá-los, explorando o conceito de recuperação e de uma segunda oportunidade. Esta melhoria é tanto simbólica, quanto pode ser aplicada à Humanidade. A pandemia levou a que muitos duvidassem do progresso e melhoria do ser humano e fossem confrontados com notícias más todos os dias. We Still Have a Dream quer servir de distração, apesar de breve, a este desespero constante e mostrar como ainda é possível melhorar.

#6 Earth Bits – Sentir o Planeta

Fonte: MAAT

Nesta reabertura, uma das exposições com casa no MAAT é a Earth Bits – Sentir o Planeta. Encomendada ao estúdio de investigação e design interativo Dotdotdot e apoiada pela Agência Espacial Europeia, pela Agência Internacional de Energia e pela EDP Inovação, esta instalação aborda a temática da ciência climática, medindo a pegada de carbono humana através de conteúdos gráficos e digitais interativos. As diversas partes da instalação demonstram a forma como o fluxo mundano das emissões humanas se relaciona com os biossistemas e apresentam causas e efeitos da rápida destruição que resulta deste fluxo. Sempre contextualizada através da visualização de dados sobre a evolução dos padrões de consumo de eletricidade em Portugal 2019–2020 e mais, Earth Bits é um projeto de dois anos cuja segunda fase estará disponível em março de 2022.

Artigo revisto por Ana Janeiro
Fonte da Capa: Agência Lusa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *