Música

O confessionário público da Mega Hits

Em 2015 chegou um confessionário à rádio Mega Hits, mas os segredos que lá se contaram – e ainda se contam – chegam a toda a gente. Mas este não seria um confessionário qualquer: para além dos segredos que no Confessions são revelados, este programa exclusivo da Mega Hits presenteia-nos com atuações ao vivo e versões inéditas. E ainda bem, porque a boa música é para ser partilhada.

Fonte: Grupo Renascença Multimédia

Desde então, passaram pelo programa inúmeros artistas que por lá deixaram interpretações únicas e um público de boca aberta. Artistas portugueses que fazem as suas próprias versões de músicas de outros artistas portugueses, mostrando que o que se produz em Portugal também é de qualidade e não deve ser descartado.

Num ano atípico em que os artistas tanto sofreram, mais do que nunca torna-se importante que estes sejam valorizados e que os portugueses não lhes virem as costas. Neste sentido, a medida de resposta à pandemia, imposta pelo Ministério da Cultura, de implementar uma quota mínima obrigatória de 30% de música portuguesa a ser incluída na programação das rádios é fundamental. Assim, também programas como o Confessions se tornam essenciais, mostrando que a música portuguesa importa.

Fonte: BOM DIA

Para além de ser uma lufada de ar fresco, o Confessions é essencialmente um lugar de admiração do talento que os nossos artistas têm. Afinal, é preciso ser-se bom artista para transformar a música do Toy ‘Coração não tem idade’ numa versão soul – algo que o AGIR atingiu na perfeição. No fundo, há diferentes formas de ouvir e cantar determinada música e quem sabe não venham a gostar mais de um cover feito no Confessions do que da própria música original.

Para além de palco de grandes surpresas, é também um sítio de descoberta de artistas. Estes artistas colocam-se à prova e saem da sua zona de conforto, misturando géneros musicais, o que só podia ser feito por grandes talentos. Num programa com 11 temporadas, já lá passaram vozes como a de Dino D’Santiago com uma música de Slow J, Marta Carvalho a cantar Pedro Abrunhosa ou, mais recentemente, Domingues a interpretar ‘Rosa Sangue’, dos Amor Electro, entre tantos outros. Contudo, foi a versão única da música ‘Devia Ir’, pela voz de Diogo Piçarra, que foi mais vista, conquistando mais de 860 mil visualizações no YouTube.

É bom só de imaginar, certo? Parece que vais ter de passar pelo canal da Mega e ouvir todos os episódios.

Imagem de capa / Créditos: Mega Hits

Artigo revisto por Miguel Bravo Morais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *