Media

O teu curso em streaming

O ensino superior pode parecer-vos, inicialmente, algo assustador. Decerto já visualizaram o episódio piloto da vossa série na sessão solene e decidiram se essa narrativa merecia uma continuação. Quer venham diretos do secundário, quer de outras instituições, os próximos 3 anos são um mistério.

Mas também são comédia, romance, drama e, como os últimos meses nos têm mostrado, ficcão científica. Não há limites para o que a ESCS te pode oferecer. Por vezes, encontrarão semelhanças entre o que se passa nas salas de aula e o que acontece nas vossas séries favoritas. Falámos com alunos que já passaram por este novo capítulo em que vocês ingressaram e trazemo-vos as indicações de séries que, segundo eles, melhor representam a experiência que tiveram nos seus cursos.

Fonte: The New York Times

Jornalismo, das investigações ao teleponto.

O curso amarelo vai levar-vos aos estúdios de rádio, aos de televisão e às redações. Também vos levará a procurar fontes nos sites mais esquisitos e a editar até o vosso computador pedir misericórdia. Por esses e outros pontos típicos de Jornalismo já passaram Rafael Correia e Cristiano Costa, que exploraram vividamente todas as facetas da profissão que a escola oferece.

Rafael indica, para os alunos de Jornalismo que querem espreitar o que os espera, alguns programas que tratam a área. Sugere The Newsroom, da HBO, que tem como protagonistas os jornalistas por detrás de um respeitado noticiário, e os amores e desencontros que se dão entre emissões.

Fonte: The Guardian

Já Great News, sitcom da NBC disponível na Netflix, tem um ar mais leve: com um elenco especialmente cómico, conta a história de como a redação pode não ser o local mais tranquilo para famílias. Press, uma das recomendadas por ambos, leva-vos aos jornais britânicos. Ficarás a conhecer a batalha constante entre um jornal esquerdista e outro típico tablóide, tão comum lá.

Cristiano deixou-nos com uma dica extra: How To Get Away With Murder. Em breve, vocês caloiros vão perceber que, entre as muitas facetas da profissão, existe a investigação. No curso, conhecerão algumas técnicas para ir até ao fundo das histórias.

Fonte: IndieWire

Publicidade e Marketing, a estratégia permanente.

Conseguimos ver este curso para onde quer que olhemos. Aos que chegaram à ESCS para estudar esta que é uma arte e uma ciência ao mesmo tempo, nada temam! O curso alberga as estratégias e as matemáticas, mas também a criatividade e o sonhar alto.

Falámos com Ana Margarida Ventura e Bárbara Boléo, licenciadas no curso, e a escolha de série que melhor representa essa experiência foi unânime: Mad Men. Durante cerca de dez anos, este programa de televisão contou-nos a história do diretor criativo Don Draper.

Sempre misterioso, Draper conseguia convencer qualquer pessoa acerca do que ela realmente desejava para a sua vida. Em discursos apaixonados e inspirados, revelava à marca o que faltava para que ela fosse querida aos olhos dos consumidores.

Ana Margarida complementa ao revelar o que sentiu ao assistir Mad Men durante o curso:  “Tem sete temporadas, e nelas acompanha a Publicidade ao longo de diferentes fases. Por exemplo, fala do início, quando se fazia publicidade a tabaco. Eu aprendi imensas coisas com a série.”

Fonte: Marketing Interactive

Não poderíamos deixar de mencionar a nova querida da Netflix, Emily in Paris. Parte do vosso futuro trabalho passará, entre muitas outras coisas, pela gestão dos clientes e das suas vontades. Transformar planos criativos em estratégias diretas, mas sem que elas percam o sabor. E, claro está, apostar nas redes sociais enquanto veículo de comunicação. Foi esta a especialidade que levou Emily, de Chicago, à capital francesa.

Fonte: TecMundo

Audiovisual e Multimédia, sem repérage.

São muitas as áreas de interesse que vos podem ter trazido ao curso azul da colina. Fotografia, vídeo, animações, ilustrações, enfim. Há espaço para tudo em Audiovisual e Multimédia, como nos contam as alunas Joana Jorge e Beatriz Esperança. As duas preferiram usar analogias para vos mostrar a vibe deste próximo capítulo no qual ingressaram.

Para já, o conselho que fica é que, apesar de ter “visual” até no nome, interpretação de texto não faltará. Como montar uma narrativa sem saber o que ela quer dizer? Exato: impossível. Não se preocupem, porque as ferramentas para isso ser-vos-ão dadas. Sairão como um Joe, de You, mas sem a parte creepy. É o que promete Joana:

“Sinto que um bom AM tem de saber ler as pessoas (o público-alvo) através das poucas dicas que consiga receber, e interpretá-las bem (ao contrário de Joe). Para além disso, Joe acaba por conseguir fazer tudo sozinho e adaptar-se ao que vai acabando por aparecer, e os AM são mais ou menos assim.”

Fonte: Marie Claire Globo

Da análise do público, vamos para o produto! Beatriz revê alguns elementos do curso na série de sucesso da HBO Euphoria: “cores, emoções e o hipotético estupefaciente”. No fundo, parte do processo de criação passa pelo explorar diferentes sensações e as ideias mais estranhas, que também merecem uma chance.

A aluna também encontrou uma outra janela na qual podem espreitar aquilo que o vosso curso proporciona: Parks and Recreations. A explicação é simples: “espontâneo, câmara ao ombro, a tentar melhorar o mundo um projeto de cada vez, e a falhar com alguma regularidade até acertar. Ah, e rir para não chorar!”

Fonte: The Young Folks

Relações Públicas, para além do convite.

Ao mergulhar neste curso, são vários os diferentes elementos que vão ficar a conhecer. Por exemplo, todo evento é parte glamour e parte extenso planeamento. Os desafios são diários, mas progressivamente menos assustadores. E é aí que as festas brilham mais!

Falámos com Matilde Projecto Salgueiro, licenciada no curso, que viu elementos dos passados três anos na série Gossip Girl. O principal portal de cusquice do Upper East Side, assinado carinhosamente pelo autor misterioso, não deixava escapar nenhum detalhe.

A programação das protagonistas, sobretudo Blair Waldorf e Serena van der Woodsen, não tinha espaço para pausas – sensação frequente no curso. Como as ricas raparigas nova iorquinas, os RP também se encontram por detrás de grandes eventos, desde a sua conceção até ao cocktail de despedida.

Artigo revisto por Mariana Coelho

Fonte da foto de capa: Polygon

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *