Opinião

Pêras e Abacates: Nunca sem elas

Celebrou-se no passado domingo, dia 8, o dia daquilo que mais me motiva; o dia da estátua mais perfeita, do ser mais fascinante. A prova de que o mundo é perfeito pois nós, homens, temos a sorte de o poder partilhar com as mulheres.

O que seria o mundo sem as mulheres? Teria muito mais futebol a passar na televisão, de facto, mas não seria a mesma coisa. É verdade que nada no mundo tem tantos defeitos, mas elas compensam bem com o dobro das qualidades. A força contra tudo e contra todos que demonstraram ao longo destes séculos. O instinto maternal. A proteção da mãe leoa. Os olhares matadores que nos hipnotizam. Sim, elas são chatas, vingativas e stressadas, mas mesmo os seus defeitos são algo que me apaixona e sem os quais já não vivia.

Colocando de parte a questão política e salarial, não venho aqui apelar à igualdade dos sexos. Até porque, na minha opinião, se os homens e as mulheres fossem iguais, isto não tinha graça nenhuma. As diferenças que temos são aquilo que nos encaixa. Quem já fez puzzles percebe o que quero dizer.

A mulher motiva-me como nenhuma outra coisa. Quero vê-la sorrir, confortá-la ao chorar, decorar os seus tiques e gostos e para ela regressar. Outra coisa: os homens, em termo práticos, mandam no mundo. São quem ocupa a cadeira. No entanto, as mulheres sempre mandaram em mim. Se eu tivesse uma cadeira não mandava de certeza.

Elas são melhores do que nós? Sinceramente acho que sim. Isto olhando apenas para factos. “Os homens mandam no mundo!” – é uma frase que orgulha muita gente; no entanto, o mundo está uma desgraça. Coincidência? Para mim, não. Sinceramente, elas teriam feito melhor trabalho. Mas também estou a ser injusto, porque pior era difícil…

Infelizmente as mulheres foram e são muitas vezes menosprezadas e vêem as suas capacidades colocadas em causa. Mas nós, ao pé delas, temos muito que aprender. Aliás, se há expressão em que acredito piamente é a de que por trás de um grande homem está sempre uma grande mulher.

A mulher fascina-me em todos os aspetos. Fisicamente é perfeita. A prova de que Deus, se existir, é um excelente artista, porque eu das costelas só consigo criar dores. Mas intelectualmente, psicologicamente ou emocionalmente é uma coisa tão forte e complexa que me deixa sempre de cabelos em pé e com vontade de saber mais. Mulher é um conceito impercetível para o homem. Nós não sabemos o que elas são e nem sabemos se queremos descobrir. Essa intriga é fascinante e necessária. Eu, sem mulheres na minha vida, seria um cão abandonado. Platão, aliás, tem uma teoria deliciosa que diz que o Homem foi inicialmente criado com duas cabeças, quatro braços e quatro pernas, mas Zeus sentiu-se ameaçado com o poder do Homem e separou-o, condenando as metades a procurarem-se para o resto das suas vidas, dando origem à expressão “cara-metade”.

A todas as mulheres do mundo: um grande beijo e a vontade de que nunca parem de lutar por aquilo que merecem (que, para mim, não é menos do que tudo).

CRÓNICA - Nunca sem elas - Pedro Mateus (slideshow)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *