Atualidade,  Informação

Portugal sai da lista verde do Reino Unido

Foi anunciado na passada quinta-feira, dia 3 de junho, pelo secretário dos Transportes, Grant Shapps, que quem chegar ao Reino Unido vindo de Portugal passará a ser obrigado a fazer quarentena. Esta é uma medida que entra em vigor na terça-feira, 8 de junho.

O governo britânico anunciou na passada quinta-feira, dia 3 de junho, que Portugal, incluindo os arquipélagos dos Açores e da Madeira, foi retirado da lista verde do Reino Unido. O Ministério dos Negócios Estrangeiros, dirigido por Augusto Santos Silva, lamenta a decisão tomada pelo governo britânico, referindo-se a ela como “uma decisão cuja lógica não se alcança”, esclarecendo também que “Portugal continua a realizar o seu plano de desconfinamento, prudente e gradual, com regras claras para a segurança dos que aqui residem ou nos visitam.”

O ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps, confirmou a decisão das autoridades britânicas e considerou que retirar Portugal da lista verde é uma medida de segurança com vista a impedir que o Reino Unido tenha de recuar daqui a algumas semanas. Acrescentou ainda que, apesar de ter sido uma decisão difícil, foi necessária, tendo em conta que “o número de casos quase duplicou desde a última avaliação”. 

Ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps Fonte: Reuters

Um dos motivos apontados para a tomada desta decisão foi a identificação de 68 casos da variante delta (identificada pela primeira vez na Índia) em Portugal. A direção geral de Saúde de Inglaterra está a investigar esta variante para perceber melhor se ela pode ser mais transmissível e mais resistente às vacinas.

Os países que se encontram na lista amarela encontram-se sujeitos a restrições mais apertadas, como uma quarentena de 10 dias na chegada ao Reino Unido e dois testes PCR. Já os países na lista verde estão isentos de quarentena, enquanto a lista vermelha exige quarentena de 10 dias num hotel designado, além de dois testes PCR. 

Este sistema de semáforo é baseado em quatro critérios: as taxas de vacinação, o número de casos, a prevalência de variantes preocupantes e a qualidade dos dados de testagem.  

Esta decisão veio criar um grande impacto no turismo, principalmente para os sectores de restauração e hotelaria na região do Algarve, uma vez que, desde a admissão de Portugal na “lista verde” do Reino Unido, registou-se um aumento no número de voos e reservas em hotéis a nível nacional. 

Portugal foi incluído na designada “lista verde” a 17 de maio, o que fez com que muitos turistas britânicos começassem a viajar para o país sem necessidade de fazer quarentena no regresso, o que contribui para minorar a queda do turismo. 

Após ser conhecida a decisão do governo britânico, muitos autarcas do Algarve mostraram-se indignados e com medo de uma piora no sector turístico da região, visto que esta zona é o destino preferencial dos turistas britânicos.

Créditos: Luis Forra/Lusa

Com isto, a queda no turismo já se fez notar este fim-de-semana, sendo que mais de 25 mil britânicos deixaram o Algarve, entre sábado e domingo, de modo a evitar a quarentena quando chegarem ao Reino Unido. 

Revisto por Miguel Bravo Morais

Fonte da imagem de capa: Ludovic Marin/Getty Images

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *