Música

Savanna: Música na Selva Experimental

11122350_977067408971060_1673860664_o

Juntos, Miguel Vilhena, Tiago Vilhena, Pedro Castilho e Diogo Sousa formam os Savanna: a mais recente banda portuguesa de rock experimental e psicadélico a andar nos ouvidos do mundo (ou, pelo menos, de Portugal). Lançaram o seu primeiro projecto em 2012, o EP “Aurora” e, em Março deste ano, “Dreams To Be Awake” – um álbum que só veio veicular ainda mais o talento destes rapazes.

Se já grande parte de nós sonhou em fazer música com os amigos, os Savanna são o reflexo da concretização desse mesmo sonho, mesmo que de forma involuntária. Nascem quando dois amigos se juntam em casa e começam a experimentar sonoridades. Efectivam-se quando se juntam os dois restantes membros da banda.

O seu som relembra-nos do ambiente instrumental psicadélico característico da música dos anos 70, unido a coros vocais, também muito utilizados por bandas dessa década. Aliás, a banda explorou esses dois lados ao longo dos seus dois trabalhos. A primeira visão da sonoridade dos Savanna, instrumental e alucinante, é mais explorada em “Aurora” e revela a influência de bandas sonoras de ficção científica. A segunda está clara no álbum “Dreams To Be Awake” e no seu 2.º single “Gods We Are”, onde os Savanna mostram um lado mais trabalhado da sua música enquanto canção.

Independentemente da maneira como o fazem, os Savanna gostam sobretudo de ter um significado por detrás da sua música, de contar histórias. No seu mais recente disco, por exemplo, está intimamente presente o conceito do sonho.

Esta ideia de ter um conceito latente e principal num álbum é, para mim, algo que acaba por legitimar a música, e aqui a música dos Savanna, como uma forma de arte no seu todo. Não que o ache essencial, até porque o bom da arte é que pode ser interpretada de diferentes formas, consoante o nosso ângulo de visão, ou, neste caso, de audição. No fundo, gosto de ouvir um álbum na íntegra e de tentar perceber o que está na sua raiz, tal como um entusiasta de pintura gosta de olhar para um quadro de longe e de imaginar o que ia na alma do seu autor quando o pintou. Tudo isto para vos dizer que, no final de contas, gosto da maneira como os Savanna fazem as coisas e espero que as continuem a fazer.

Agora, resta-me dizer-vos que o álbum “Dreams To Be Awake” está disponível gratuitamente na plataforma online NOS Discos, onde podem ouvi-lo e ficar a conhecer os Savanna por aquilo que (com todo o gosto e honestidade) tanto elogiei ao longo deste artigo: o seu trabalho enquanto músicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *