Atualidade

Sócrates abandona o PS

Caso de Manuel Pinho levou a uma discussão no partido, o que forçou uma tomada de posição do antigo Primeiro Ministro. Notáveis do PS estão divididos.  António Costa diz-se surpreendido.

José Sócrates anunciou num artigo de opinião publicado no Jornal de Notícias que vai abandonar o PS. A decisão acontece após vários militantes socialistas, terem quebrado o silêncio e considerado uma “vergonha” e uma “desonra” as suspeitas que recaem sobre o ex-primeiro-ministro e sobre Manuel Pinho, ex-ministro da Economia, que é suspeito de receber um vencimento privado com origem no GES (Grupo Espírito Santos) enquanto desempenhava as funções de ministro no governo socialista.

O ex-primeiro ministro defende Pinho considerando-o um “homem honesto, incapaz de receber um vencimento privado enquanto exercia funções públicas.” Sócrates vai mais longe e desmente que Manuel Pinho tenha entrado para o seu Governo por sugestão de Ricardo Salgado. A escolha de “Manuel Pinho como porta-voz do PS para a área da economia, e mais tarde para o Governo, aconteceu naturalmente na decorrência da colaboração que este há muito prestava na condição de independente, ao PS, como conselheiro económico, do então líder Ferro Rodrigues”, defendeu.

Resultado de imagem para socrates ps
José Sócrates / Fonte: Renascença

Sócrates aproveitou o artigo de opinião para acusar a atual direção do PS de “cometer uma injustiça, juntando-se à direita política na tentativa de criminalizar uma governação, algo que ultrapassou os limites do que é aceitável no convívio pessoal e político”.  No mesmo artigo considera que chegou o momento de por um ponto final “num embaraço mutuo” e confirma que endereçou uma carta ao partido Socialista a pedir a sua desfiliação.

Em resposta ao alvoroço dos últimos dias, alguns notáveis mostram uma divisão interna no partido em relação às críticas endereçadas aos antigos governantes socialistas.  Ana Gomes defende a tomada de posição de figuras como Carlos César ou João Galamba, que desmarcaram o partido dos casos de investigação que envolvem Sócrates e Pinho e diz ser “tempo de reconhecer os erros, porque toda esta situação leva a uma descredibilização do partido”. A eurodeputada socialista diz que é tempo de “analisar o que não correu bem e que a tolerância perante a corrupção tem de ser zero”. O anterior ministro da Cultura, João Soares indica que é “com grande tristeza” que vê a desfiliação de Sócrates e refere que o antigo secretário geral socialista “não foi tratado com a dignidade devida enquanto arguido”. Já o histórico fundador do partido Socialista, António Campos vai mais longe e refere que se “sente revoltado com o tratamento dado pelo partido a Sócrates” referindo-o como “injusto”.

Resultado de imagem para partido socialista
Fonte: Rádio Pax

O Primeiro Ministro, António Costa, revelou-se “surpreendido” com a decisão de José Sócrates indicando que “respeita uma decisão que é pessoal”. Costa aproveitou para reforçar que “tem todos os motivos para confiar no sistema de justiça e no estado de direito” referindo-se à operação Marquês que envolve suspeitas de corrupção do ex-primeiro Ministro.

De referir que o PS vai, entre 25 a 27 de Maio, ter um congresso para discutir o seu plano para as legislativas de 2019, contudo os casos de Manuel Pinho e José Sócrates antecipam um intenso debate. O histórico socialista Manuel Alegre referiu mesmo que o partido “vai ter de debater o caso no congresso” mostrando-se surpreendido com a tomada de posição do PS.

Avatar

Olá, sou o Luís, tenho 27 anos e nasci em Cascais. Vivo desde, quase sempre, em Sintra e sinto-me um Sintrense de gema.  Adoro cinema - bem, adorar não é a palavra adequada, venerar parece-me um adjetivo mais justo -  e sou também obcecado por política e relações internacionais. Gosto também muito de desporto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *