• Opinião

    Um livro julga-se pela capa

    Sabem quando vão a uma livraria e há uma ou duas estantes repletas de obras com um design de capa absolutamente excêntrico, estrambólico e excruciante? Aqueles livros cor-de-rosa com um estilo de letra comic sans, quase a virar para a tipografia usada nas promoções nas bancas de fruta do Continente, e com uma imagem apaixonada de um beijo ou de outra qualquer demonstração de afecto absolutamente esterilizada? Ou até aqueles pretos, estilo gótico, com um macho misterioso encapuçado ou com uma fêmea voluptuosa seminua ornamentada com uma armadura medieval? Ou mesmo os livros brancos, mais leves, com um estilo de letra mais caseirinho, mais suave, mais angelical, sempre com um…

  • Opinião

    Editoras e a banalização do mundo da música

    As editoras de música têm destruído bandas e músicos um pouco por todo o mundo. Desde levar os artistas a uma banalização mediática a espremê-los ou mesmo a reduzir um álbum a um single. Há quem já tenha estatuto para fugir a esta crise de monopólio e do mainstreaming, mas também há quem tenha a ambição de entrar no mundo da música, numa indústria sobrelotada e rendida ao poder das maiores editoras. Para esses, entrar e vingar com um estilo de música próprio, não se afigura fácil. Beyónce tem sido um dos rostos nesta batalha. O seu último álbum foi lançado na plataforma de venda de música digital, iTunes, de…