Informação

Tensões Ocidente-Rússia. Guerra Fria 2.0

Os vôos dos bombardeiros russos não passaram despercebidos na actualidade informativa deste fim de semana. A hostilidade dos russos para com o ocidente foi notícia 25 anos depois da queda do Muro de Berlim.

Vôos militares russos na Europa Ocidental sempre existiram, os aviões russos sempre sobrevoaram espaço aéreo internacional, o que nos leva a questionar: O que há de diferente desta vez?

Para percebermos o contexto desta tensão, temos de falar sobre a crise na Ucrânia. No final do ano passado, os ucranianos da zona oeste do país reclamaram uma aproximação à União Europeia, o que causou uma irritação na zona leste do país, onde a Rússia é mais influente. Na sequência da deposição do anterior presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, a Rússia reclamou a posse da Crimeia, condenou a atitude ucraniana e ajudou os separatistas pró-russos a combaterem na zona leste do país. Neste Domingo houve eleições nos auto-declarados Estados Independentes de Donetsk e Lugansk e a Rússia foi o único país que reconheceu o resultado; com sansões de parte a parte a Rússia está, cada vez mais, a fazer por se afirmar no quadro internacional, mostrando o seu poderio militar.

Portugal não se mostrou, para já, preocupado com estes vôos. A actuação da Força Aérea Portuguesa tem mantido os bombardeiros russos fora do espaço aéreo português. Na realidade, os aviões russos têm apenas voado em espaço aéreo internacional com administração portuguesa, o que faz com que os caças portugueses intervenham, acompanhando o vôo dos russos.

No entanto, é considerada hostil a preferência dos russos em voar com os radares de localização desligados, tendo por questões de segurança sido tomadas medidas de alteração das rotas dos aviões comerciais que viajavam em direcção ao Aeroporto Internacional da Portela, Lisboa. Também a NATO, Organização do Tratado Atlântico Norte, condenou esta atitude dos Russos.

A hostilidade dos tempos de guerra fria parece estar de volta à Europa que já tinha sarado as feridas da guerra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *