Um adeus a Luis Sepúlveda

Imagem Luis Sepúlveda
Fonte: Público

Um mês depois da sua morte devido à covid-19, Luis é ainda relembrado – com uma história de vida incrível, certamente memorável para muitos. Escritor, romancista, jornalista e ativista chileno, deixou um repertório de grandes obras para trás.

Nasceu em 1949 e, durante toda a sua vida, foi passando por várias áreas – quando se licenciou em Ciências da Comunicação, partilhava um “amor” paralelo pelo teatro e pela política. Luis sempre se interessou pelos conflitos sociais da segunda metade do século XX. Assistiu à ditadura de Pinochet, interessou-se pela guerra do Vietname e pela descolonização de África, pela Guerra Fria ou pela revolução cubana. A verdade é que todas estas experiências o levaram na direção do contador de histórias.

Ainda jovem, Sepúlveda recebeu uma bolsa de estudo para a Rússia. Voltou com vontade de chamar “Carlos Lenine” ao seu filho e foi isso que fez. No entanto, não foi a única influência que este país teve em Luis. Juntou-se à Juventude Comunista e, anos depois, ao Partido Socialista chileno.

A sua desenvoltura, por vezes excessiva, levou-o a ser preso duas vezes. Libertado pela Amnistia Internacional, tornou-se exilado. Era, então, considerado a “resistência política”. Sepúlveda não só lutou contra os ideais da ditadura, como também se tornou num ativista ambiental, aliando este sentimento à justiça e à luta pela igualdade. Prova desta determinação e preocupação ambiental é a sua entrada para a organização Greenpeace, onde participou na luta contra a caça da baleia.


Entretanto, Luis teve ainda a oportunidade de ser repórter, em Hamburgo, na Alemanha; correspondente, em Angola; e motorista de autocarros. Teve uma vida recheada de grandes experiências, que o levaram a encontrar o seu refúgio nos livros. Livros esses que são o reflexo da sua vida e das suas vivências. As histórias ecoavam na cabeça e eram transformadas, pouco a pouco, em palavras escritas num papel.

As suas obras e o seu papel na sociedade não podiam ter sido ignorados. Em 1970, recebeu o Prémio Casa das Américas, pelo seu primeiro livro Crónicas de Pedro Nadie. Luis recebeu o Prémio Eduardo Lourenço, em 2016, que pretende homenagear personalidades que tiveram impacto na cooperação e na cultura ibérica. Estes são apenas alguns dos prémios que recebeu. No entanto, a maior relíquia que conquistou na sua vida não foram os prémios, mas sim as inúmeras obras que deixou ficar.

Se a incrível história de vida de Sepúlveda conseguiu aguçar a tua curiosidade, estas obras são algumas sugestões para leres:

→ Memorial dos Anos Felizes

→ História de um cão chamado Leal

→ O Velho que Lia Romances de Amor

→ Mundo do Fim do Mundo

→ História de um Caracol que Descobriu a Importância da Lentidão

→ A Sombra do que Fomos

→ História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar

→ O Fim da História

Artigo revisto por Bruna Oliveira Gonçalves

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *